Clevelândia entra no Mapa do Turismo Brasileiro

Turismo religioso é uma das vertentes que passam a ser exploradas no município Crédito: Lauriane Zorzi/Reprodução

O município de Clevelândia entrou, oficialmente, para o Mapa do Turismo Brasileiro. Em mais de 130 anos de história, é a primeira vez que a cidade recebe o reconhecimento de seu potencial turístico.

A iniciativa é uma ação do Ministério do Turismo que, por meio de um Programa de Regionalização, define a área de recorte territorial a ser trabalhado prioritariamente para desenvolver ações de políticas públicas. Além disso, os municípios são categorizados no intuito de identificar o desempenho da economia.

O turismo valoriza a cultura local, fomenta o desenvolvimento e atrai novos investimentos, mas ele não depende somente de pontos atrativos, esse é o resultado de um empenho coletivo. Para além disso, o reconhecimento destaca a importância das políticas de inclusão social desenvolvidas no município, como a de geração de emprego e renda — uma das prioridades da gestão municipal.

No ano passado, a Administração Municipal, representada pela prefeita Rafaela Losi, decretou a criação do Conselho Municipal de Turismo, a fim de valorizar o turismo local com a integração da sociedade civil e a inserção do município na rota do turismo regional, estadual e nacional.

Agora, com a inclusão do município no mapa, Clevelândia trabalha para a roteirização, ou seja, inserir os roteiros e rotas turísticas, tanto religiosas — percorrendo locais onde o monge João Maria passou e acampou —, como turismo rural — cachoeiras, campos e nascentes.

“Clevelândia pode ir além, queremos nos destacar no turismo, um importante eixo econômico e com grande potencial no desenvolvimento local. Valorizar o turismo é valorizar a nossa história e, por isso, estamos felizes em fazer parte deste momento tão importante para a nossa cidade”, ressaltou Rafaela.

Na região sudoeste do Paraná, dos 42 municípios, 30 estão inseridos no novo mapa, com atrativos que destacam a forte influência da cultura italiana e alemã, além de ser marcada por agroindústrias, reserva de araucárias e o clima frio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.