Equipe do Ministério da Saúde investiga caso da variante delta em Francisco Beltrão

Ministério da Saúde, Sesa e municípios seguem trabalho da investigação sobre a variante delta - Curitiba, 12/07/2021 - Foto: SESA

Marcilei Rossi com agências

A confirmação de um paciente diagnosticado com a variante delta de covid-19 em Francisco Beltrão e outros seis em Apucarana (4), Rolândia (1) e Mandaguari (1), fez com que a equipes do Ministério da Saúde, da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) e das vigilâncias epidemiológicas dos municípios iniciassem ainda no sábado (10) uma ampla investigação para avaliar o cenário estadual.

Os investigadores pertencem ao Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (EpiSus). A investigação está dividida em duas frentes: uma base em Londrina, que pesquisa os casos confirmados em Rolândia (17ª Regional), Apucarana (16ª Regional) e Mandaguari (15ª Regional); e outra em Francisco Beltrão (8ª Regional).

Os investigadores definiram ontem (12) a forma de abordagem para avaliar a circulação viral dessa cepa. Um questionário único será a principal ferramenta da pesquisa epidemiológica. O instrumento foi discutido com profissionais da Vigilância do Estado e dos municípios, buscando ressaltar as características locais e regionais. Há expectativa de que um relatório seja divulgado nesta terça-feira (13).

“Consideramos fundamental a definição da situação da transmissão no Paraná para efeitos epidemiológicos e também para orientar as próximas ações de enfrentamento. Não é momento de pânico com essas variantes, mas de estudo, análise e preparação dos próximos passos”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Sem muitos dados até o momento, até porque a divulgação de informações neste caso se concentra com o Ministério da Saúde e com a Sesa, o que Secretaria de Saúde de Francisco Beltrão confirma, é que o paciente que positivou para a variante delta, está em isolamento domiciliar.

OMS

A variante delta da covid-19 está presente em pelo menos 104 países, disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom. A entidade espera que a cepa se torne a predominante pelo mundo em breve. “Se é que já não é”, complementou a líder técnica da resposta à pandemia de covid-19, Maria Van Kerkhove. As afirmações foram feitas durante coletiva à imprensa da OMS nessa segunda.

Na semana passada, foi registrada a quarta semana consecutiva de aumento de casos de covid-19 pelo mundo, de acordo com a organização. “Após dez semanas de declínio, o número de mortes está subindo de novo”, disse Tedros Adhanom. O diretor reforçou que, em países com baixa cobertura de vacinação, a situação é especialmente delicada. “Delta e outras variantes estão liderando ondas catastróficas de casos de covid-19, que estão sendo traduzidos em um número alto de hospitalizações e morte.”

A OMS ainda divulgou dois novos locais de produção da vacina da AstraZeneca, a partir da Lista de Uso de Emergência da entidade. “Assim como na Europa, Índia e Coreia do Sul, tenho o prazer de anunciar Japão e Austrália como novos locais de fabricação da vacina.”