Região

Laboratório da UFFS é habilitado pelo Lacen para diagnóstico da covid-19

Desde os primeiros exames até a última sexta-feira (7), foram processadas 368 amostras (Crédito: UFFS/Ariel Tavares)

Assessoria

O Laboratório Coronavírus da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Realeza, montado em parceria com Prefeitura de Realeza, Rotary Club e apoio da Universidade Federal do Paraná (UFPR), passou a integrar o Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública (Sislab). A habilitação é concedida pelo Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen) e atende normas do Decreto Estadual nº 4261/2020, que estabelece critérios para o credenciamento.

A declaração de habilitação foi emitida no dia 20 de julho e, a partir dessa data, o Laboratório Coronavírus da UFFS ajuda na validação dos testes de casos suspeitos de covid-19, além de ter o compromisso de informar, diariamente, o Centro de Informações Estratégicas e Respostas de Vigilância em Saúde do Estado do Paraná (Cievs) sobre os dados de realização dos exames.

Para o coordenador técnico do Laboratório Coronavírus da UFFS, professor Felipe Beijamini, esta é uma conquista importante, pois qualifica a estrutura montada e a competência do trabalho executado.

“A habilitação indica que o laboratório está de acordo com as normas de funcionamento e possui qualidade metodológica apropriada para a realização dos exames de RT-qPCR para a covid-19. De certa forma, certifica a qualidade do trabalho realizado aqui, deixando claro que seguimos padrões internacionais de qualidade”, destacou.

A UFFS é responsável apenas pela análise e processamento das amostras coletadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Realeza, sendo a emissão dos laudos e o envio de dados de responsabilidade da prefeitura.

“Pelo acordo de cooperação, a prefeitura cuida da fase pré-analítica – coleta das amostras –; e da fase pós-analítica – produção e emissão do laudo – a partir dos resultados produzidos no laboratório da UFFS. Também é a prefeitura que faz a comunicação pelo Sistema de Gerenciamento de Amostras Laboratoriais. Com isso, as amostras processadas aqui são integradas ao Sislab e fazem parte dos bancos de dados estaduais e nacionais dos sistemas de vigilância”, detalhou Beijamini.

Os primeiros testes no laboratório iniciaram no dia 16 de junho, quando as equipes de trabalho e da Unidade Sentinela foram testadas. O atendimento à população foi iniciado no dia 22 de junho. Desde os primeiros exames até a última sexta-feira (7), foram processadas 368 amostras. Em 48 delas foi detectada a presença do vírus SARS-CoV-2, que causa a covid-19; algumas amostras necessitaram de contraprova por resultados inconsistentes e 42 com resultados inconclusivos.

“Nesse último caso, encaminhamos para recoleta. As causas de um resultado inconclusivo são diversas podendo ser associadas, por exemplo, ao momento que a amostra foi coletada em relação ao ciclo do vírus. O momento ideal para a coleta é entre o 3º e 7º dia do surgimento dos sintomas; amostras coletadas fora desse intervalo apresentam maior chance de produzir um resultado inconclusivo”, explicou Beijamini.

Como surgiu

O Laboratório Coronavírus da UFFS está instalado no Hospital Veterinário Universitário da UFFS e tem capacidade para processar até 100 amostras por dia. A iniciativa surgiu dentro da comissão local de combate à pandemia existente no Campus Realeza, sendo elaborado um projeto de extensão para a execução das atividades.

Fazem parte da equipe que executa as análises sete professores da UFFS dos cursos de graduação em Ciências Biológicas, Nutrição e Medicina Veterinária; três técnicos de laboratório da UFFS; uma servidora da Prefeitura de Realeza; e seis professores colaboradores de outras instituições da região, sendo quatro da Unioeste de Francisco Beltrão, um da Faculdade Mater Dei, de Pato Branco, e outro voluntário.

A parceria com a Prefeitura de Realeza envolve a entrega de materiais para as análises, como kits para diagnósticos, material de coleta, equipamentos de proteção individual e o trabalho de responsáveis técnicos para acompanhar ações de controle e registro das análises.

Também há o acordo de cooperação técnica com o Rotary Club de Realeza, que adquiriu a termocicladora PCR para realizar as análises. Para a compra deste equipamento, a entidade contou com o apoio e colaboração financeira dos Rotarys Clubs dos municípios de Santa Izabel D’Oeste, Salto do Lontra e Nova Prata do Iguaçu, além da Associação das Senhoras de Rotarianos de Realeza, empresários locais e agências bancárias de Realeza.

A segunda termocicladora foi cedida pela UFPR, via comodato. O equipamento foi emprestado à UFFS pelo Departamento de Fisiologia da UFPR, de Curitiba.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima