Região

Projeto do Aeroporto Regional do Sudoeste é encaminhado para o Governo Federal

Área onde será construído o Aeroporto Regional do Sudoeste, se aprovado pelo Governo Federal - Foto: Eduardo Cecatto

No início deste mês, a prefeitura de Renascença publicou em sua página no Facebook que o Município havia dado mais um passo em direção a instalação do Aeroporto Regional do Sudoeste em suas limitações.

Conforme a nota, estudos técnicos apontaram que, se realmente implantado, o aeroporto terá uma abrangência para viagens internacionais, além de conseguir atender até 410 municípios. “Foram sete sítios estudados em todo o Sudoeste e, de acordo com as métricas, Renascença obteve as três maiores notas para possibilidade da construção do novo Aeroporto Regional, com 53, 48 e 38 pontos”, informava a publicação.

Em entrevista ao Diário do Sudoeste, o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, disse que o Estado é apoiador desta iniciativa e de qualquer outra que os municípios entendam ser importantes frente ao Governo Federal.

Segundo Sandro Alex, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, encaminhou ao governo federal um documento solicitando a autorização para a execução de um estudo na área. “O governador já deixou claro que esse é um estudo preliminar, que no momento o governo não dispõe do recurso. Hoje, nós temos voo em Pato Branco e estamos preocupados com a retomada do nosso Voe Paraná. É esse o nosso objetivo”, disse complementando que a companhia Azul Linhas “está um pouco reticente quanto a retomada nesse período por conta da pandemia.”

Recapitulando

Em dezembro de 2019, o governador se reuniu com prefeitos, empresários e representantes da região Sudoeste, no Palácio do Iguaçu, para conhecer os detalhes do projeto de construção do Aeroporto Regional do Sudoeste que seria erguido em Renascença.

Na época, Ratinho Junior autorizou, durante o encontro, a assinatura de um termo de compromisso entre a Secretaria de Estado da Infraestrutura e Logística e a Secretaria de Aviação Civil (SAC), ligado ao Ministério da Infraestrutura, para viabilizar a continuidade dos estudos de viabilidade econômica e estrutural para a implantação do aeroporto.

“Estamos incentivando muito a aviação regional, ampliando linhas aéreas por todo o Estado. Temos na região dois aeroportos funcionando muito bem, em Francisco Beltrão e Pato Branco, por isso a necessidade de análise da viabilidade econômica deste novo aeroporto”, afirmou o governador. “Essa união política em torno do projeto é um bom sinal para a viabilização do terminal”, completou.

Durante a reunião, o presidente da Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop) e prefeito de Saudade do Iguaçu, Mauro Cenci, explicou que a entidade já tinha na época a sinalização de que o Governo Federal poderia colaborar com a elaboração do projeto executivo, com valor estimado entre R$ 2,5 milhões e R$ 3 milhões. “Seria uma das maiores obras estruturantes da Região Sudoeste. Importante para o escoamento de cargas, além do transporte de passageiros, pegando o Paraná e uma parte de Santa Catarina”, ressaltou Cenci naquele período.

Viabilidade econômica

Em março deste ano, durante um encontro no Instituto Regional de Desenvolvimento Econômico e Social (Irdes), o prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, sinalizou a possibilidade de ampliar o Aeroporto Municipal Juvenal Cardoso – Aeroporto de Pato Branco, e torná-lo regional.

“Temos hoje uma realidade que surpreendeu a diretoria da Azul com a venda de mais de 18 mil passagens no ano passado. Não podíamos esperar dez ou quinze anos, sendo otimista, para que o Sudoeste tivesse voos comerciais à disposição, como, também, não podemos aceitar a difusão de que nosso aeroporto não tem condições de ser regional, pois já está comprovado tecnicamente, e estruturalmente, pelos órgãos nacionais competentes da aviação civil e pela demanda atendida, não só por Pato Branco, como de toda a região, que o processo de regionalização é perfeitamente viável”, enfatizou na época. 

Na mesma data, o empresário Cláudio Petrycoski, líder do processo de expansão do Aeroporto Juvenal Cardoso, disse que para a ampliação do aeroporto municipal seriam necessários R$ 50 milhões, enquanto que para um novo, segundo o Cenci, o custo total da obra de um aeroporto regional do zero, é de R$ 120 milhões.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima