Região

Ritmo de vacinação contra a covid-19 diminui por falta de doses

Até a tarde de ontem, a 7ª Regional de Saúde distribuiu 32.010 doses - Foto: AEN

Na avaliação do governo do Estado, o avanço da vacinação contra a covid-19 e o cumprimento de medidas restritivas possibilitam o Paraná a registrar resultados positivos.

A ponderação foi feita pelo secretário estadual de Saúde, Beto Preto, no domingo (4), em Londrina. Na oportunidade, ele ainda deu como exemplo o número de testes com resultados positivos, que chegaram a bater 48%, e que no início de abril está em 28%. “Isso nos dá confiança de que estamos no caminho certo neste enfrentamento.”

Beto Preto evidenciou ainda a campanha estadual de imunização de domingo a domingo e chegou a conjecturar a ampliação de vacinação em um dia até a meia noite para avaliar como a população aceitaria este horário pós jornada de trabalho.

O secretário reafirmou, ainda, a orientação para que as vacinas não fiquem estocadas. “Recomendamos aos prefeitos e secretários municipais de saúde que gastem todas as remessas enviadas pelo Estado. Não deixem vacinas paradas”, afirmou. Segundo Beto Preto, o Paraná tem capacidade instalada para imunizar cerca de 150 mil pessoas por dia, com estruturas completas e equipes qualificadas.

Contudo, para que os planos de vacinação do Estado se tornem realidade e para que as estratégias de vacinação dos municípios sejam realmente efetivas se faz necessário um maior quantitativo de vacinas disponíveis.

Conforme o portal que atualiza a cobertura vacina da covid-19 no estado, atualização do início da tarde dessa segunda-feira (5), o Paraná distribuiu 1.3115.446 doses para a primeira aplicação e foram utilizadas 1.187.972, o equivalente a 91,1%.

Com relação a segunda dose, de acordo com o portal, também chamado de Vacinômetro, foram distribuídas 366.674 doses, sendo aplicada 253.410, o que corresponde a 69,1%.

Novas doses

Na semana passada, o Paraná recebeu pouco mais de 525 mil doses de vacinas para serem distribuídas as 22 regionais de saúde. O maior quantitativo das doses do 11º lote, são destinados para a segunda aplicação, seguindo assim o que foi recomendado tanto pela União e como pelo Estado, em não segurar doses.  

Já a menor parcela deste lote, foi destinada para a primeira aplicação por faixa etária, além de imunizantes destinados a vacinação de forças de segurança e salvamento.

Agora a expectativa é para saber quantas doses serão repassadas a partir do novo lote de mais de um milhão de doses de vacina, entregue pelo Instituto Butantan ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do governo Federal.

Mas é em meio a esta espera por mais doses que muitos municípios em todo o Brasil, e no Sudoeste não foi diferente, suspenderam as ações de aplicação da primeira dose contra a covid-19.

A enfermeira dos programas de imunizações da 7ª Regional de Saúde, Andressa Maria Kviatkovski Pipino pontua que vários municípios da área de atuação do escritório, finalizaram a aplicação da primeira dose, por falta de imunizantes.

Ela exemplifica com o caso de Pato Branco que na semana passada vinha registrando o maior quantitativo proporcional e aplicação de primeiras doses para a população idoso, mas que teve que suspender a programação da quinta-feira (1º) e do sábado (3), mantendo apenas os agendamentos feitos previamente.

De tudo não dá pode dizer que as equipes de vacinação estão paradas, uma vez que as rotinas de aplicação de segunda dose estão em andamento e que também segue um calendário com uma rotina mais normal.

7ª Regional de Saúde

Reunindo os 15 municípios da microrregião de Pato Branco, a 7ª Regional de Saúde, de acordo com o Vacinômetro distribuiu 32.010 doses, sendo que 31.079 foram aplicadas, o equivalente a 97,1%.

Já o quantitativo de segundas doses distribuídas pela regional foi de 8.610, enquanto que, 7.445 foram aplicadas, o que representa 86,5%.

De acordo com a atualização da tarde da segunda, Mangueirinha era o município da regional com maior percentual de aplicação das doses distribuída, 97,7% (foram entregues 2.233 e aplicadas 2.181 da primeira dose).

Pato Branco apareceu com o segundo melhor percentual, 96,9% (9.802 doses recebidas e 9.498, aplicadas). O município é também o que possuiu o melhor desempenho proporcional de doses da área da 7ª RS, ou seja, é o que mais vacinou até o momento.

Com relação o lote recebido na semana passada, a regional recebeu 140 doses destinadas a primeira aplicação para idosos na faixa etária de 65 a 69 anos.

Também foi repassado 50 doses para profissionais das forças de segurança e salvamento e forças armadas, quando a população estimada na microrregião é de 534 profissionais.

A vacinação dos profissionais das forças de segurança será feita pelos profissionais de saúde dos municípios, porém, vai seguir cronograma estabelecido pela Secretaria Estadual de Segurança Pública.

Por sua vez, na tarde de ontem, a regional realizou a distribuição para as secretarias municipais dos imunizantes destinados a segunda aplicação, que receberam a primeira dose em março. Elas integram o lote seis.

De acordo com a enfermeira dos programas de imunizações da 7ª Regional de Saúde, Andressa Maria Kviatkovski Pipino as doses integram o contingente do sexto lote. Por sua vez o quantitativo anunciado na semana passada para a segunda etapa, deve ser recebido nos próximos dias.

Inconsistências

O indicativo de inconsistência nos dados de alguns municípios da microrregião, principalmente para a aplicação da primeira dose, chama a atenção no portal do Vacinômetro.

Nele é possível observar que foram lançadas mais de 30 aplicações em Bom Sucesso do Sul e 130 em Saudade do Iguaçu. O percentual de aplicações a mais chama a atenção frente ao universo pequeno de doses recebidas por estes municípios.

A enfermeira responsável pelo programa de imunização em Saudade do Iguaçu, Ariel Fernanda Fiorentin, afirmou ao Diário do Sudoeste que está sendo feito um levantamento dos dados, e não descarta um lançamento de dados equivocado.

Ariel destaca que até o momento o município recebeu 619 doses para a primeira aplicação, e até o fim da manhã de ontem, 587 pessoas foram imunizadas.  E 116 com a segunda aplicação.

A responsável dos programas de imunizações da 7ª RS, voltou a explicar que alguns casos podem também ser referentes a alguns frascos que tinham doses extras, no entanto, ela também não descarta uma eventual falha de lançamento dos dados.

Andressa explica que o mais provável é que o mesmo dado tenha sido lançado duas vezes, mas que isso pode ser ajustado, tão logo seja identificado o erro no sistema.

“Eles [municípios] alimentam diariamente”, afirma a enfermeira da regional de saúde, avaliando que de modo geral os dados repassados pelos municípios estão em sua maioria corretos. Ela ainda destaca a importância da alimentação dos dados corretamente, e lembra que são dados públicos, que possibilitam a população ter uma melhor dimensão de como está a vacinação.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima