Pato Branco se consolida na região como município com maior quantidade de carteiras assinadas no ano e também nos últimos 12 meses

O número de trabalhadores contratados no Sudoeste com carteira assinada foi de 848 no mês de maio, segundo dados da Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério da Economia, nessa quinta-feira (1º).

Novamente Pato Branco se destacou como o município com melhor desempenho na geração de emprego. No mês, entre admissões e desligamentos, o saldo foi de 166 postos de com carteira assinada.

Em segundo lugar na região, Palmas registrou saldo mensal de 141 postos de trabalho durante o mês de maio, e Francisco Beltrão ficou em terceiro lugar, com 108. Dois Vizinhos, que completa a lista dos municípios com mais de 40 mil habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), teve saldo de contratações formais de 55 trabalhadores.

De janeiro a maio, os quatro maiores municípios do Sudoeste apresentaram saldo de 3.476 carteiras assinadas, o que equivale a 51,76% do total alcançado no período em toda a região, que foi de 6.715.

Liderando a geração de emprego com carteira assinada, Pato Branco acumula nos cinco primeiros meses 1.995 vagas preenchidas; seguido de Francisco Beltrão, com 633; Palmas, 531; e Dois Vizinhos, 317.

Comportamento similar, com Pato Branco a frente da geração de emprego, é observado quando o recorte é realizado nos últimos 12 meses. De junho de 2020 a maio de 2021 foram 3.079 contratações formais no município, seguido de Francisco Beltrão, 1.700; Palmas, 1.433 e Dois Vizinhos, 824.

10 mil a 40 mil habitantes

Entre os municípios com população de 10 mil a 40 mil habitantes, Capanema foi o que mais gerou empregos no mês de maio, 64; seguido de Chopinzinho, 35 e Ampére, 28.

No acumulado do ano, ou seja, de janeiro a maio, Santo Antônio do Sudoeste é o município que mais gerou postos de trabalho no período, 322; seguido de Ampére, 318 e Realeza, 283.

Ampére se consolida a frente na geração de emprego entre os municípios desta faixa populacional também quando analisados os dados dos últimos 12 meses. De junho de 2020 a maio de 2021 foram 555 contratações com carteira assinada, seguido de Realeza, 490 e Capanema, 418.

Até 10 mil habitantes

Mais da metade dos municípios do Sudoeste, segundo a estimativa de 2020 do IBGE, possuem população de até 10 mil habitantes. A geração de emprego formal, com carteira assinada, vem sendo uma meta a ser vencida.

No mês de maio, Pinhal de São Bento, com saldo de 29, foi o município desta faixa populacional que mais contratações formais; seguido de Mariópolis, 20; e Verê, 15.

Vitorino, com 119, é o município com maior acumulado no ano; seguido de Pranchita, 108; e Flor da Serra do Sul, 57.

Nos últimos 12 meses, os melhores desempenhos foram de Vitorino, 251; Pranchita, 189; e Pinhal de São Bento, 105.

Menores desempenhos

Observando os 42 municípios, sem levar em consideração a faixa populacional, Itapejara D’Oeste foi o município que mais desligamentos teve diante as contratações, resultando em um saldo negativo de 18 postos de trabalho fechados; seguido de Santa Isabel do Oeste, saldo negativo de 17; e Bom Sucesso do Sul, saldo de -13.

Bom Sucesso do Sul, segundo o Caged, é, no ano, o município com desempenho mais baixo na geração de emprego na região, com saldo negativo de 20; seguido de Coronel Domingos Soares, três; e Verê, cinco.

Nos últimos 12 meses, Pérola D’Oeste tem saldo de 13 postos criados; Bela Vista da Caroba, 14; e Cruzeiro do Iguaçu, 17.

Paraná

O Paraná fechou maio como o estado que mais abriu postos de trabalho com carteira assinada na Região do Sul. O saldo foi de 15.884 contratações, resultado de 118.151 admissões e 102.267 desligamentos, ante 13.587 de Santa Catarina e 7.458 do Rio Grande do Sul. O resultado representa um aumento de 111,65% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram encerrados pouco mais de 26 mil vínculos no Estado.

O saldo de empregos no Estado em maio foi puxado pelo setor da Informação, Comunicação e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas, que gerou 4.389 vagas. Foi seguida pelo Comércio, com 3.856 novos postos de trabalho, Indústria (3.482), Administração Pública (1.728), Construção Civil (1.648), Transporte (520), Outras Atividades de Serviços (272) e Agricultura e Pecuária (197).

Brasil

A geração de empregos no Brasil também demonstra a recuperação da atividade econômica com a abertura de 280.666 vagas de emprego com carteira assinada no quinto mês do ano. O resultado decorreu de 1.548.715 contratações e de 1.268.049 desligamentos.

No acumulado do ano, o saldo também é positivo em 1.233.372 postos. As regiões com melhores desempenhos foram: Sudeste (161.767), Nordeste (37.266), Sul (36.929 postos), Centro-Oeste (26.926) e Norte (17.800 postos). Os setores os que mais se destacaram no período foram Serviços (110.956), Comércio (60.480), Indústria (44.146), Agricultura e Pecuária (42.526) e Construção Civil (22.611).