Saúde

Abra o sorriso!

Sorrir na frente do espelho pode ser um incômodo para algumas pessoas que possuem manchas ou outras imperfeições em seus dentes. Entretanto, a cada dia que passa a tecnologia se moderniza, trazendo procedimentos rápidos e que transformam o sorriso das pessoas, resgatando sua autoestima.

Uma destas técnicas é a lente de contato dental, que consiste em uma película que faz correções nos dentes. “Esse termo foi cunhado a partir da ideia da lente de contato ocular, que é aquela película que colocamos no olho. É uma lente de porcelana ou cerâmica que corrige tanto forma, como tamanho, harmonia, cor dos dentes, com uma extrema facilidade e com muito pouco desgaste. Por isso é que tem essa conotação de lente, um nome para facilitar o entendimento do público em geral, do quanto ela é delicada”, descreveu o cirurgião dentista de Pato Branco, Ubiratan Cézar Archetti, que é especialista em periodontia e em disfunção craniomandibular.

Entretanto, apesar da sua delicadeza, a lente de contato dental tem uma durabilidade bastante grande, “porque a porcelana não perde a cor, não perde o brilho, não mancha, enfim, é um mineral. Ela tem uma estabilidade extremamente grande, ao longo de muitos e muitos anos”, acrescentou o cirurgião dentista.

Archetti descreve que as lentes de contato dentais podem variar de 0,1 mm a 0,4 mm. “A partir daí nós já podemos considerar uma faceta, que é uma lâmina de porcelana um pouco mais grossa, que chega a ter 0,8 mm a 1,2 cm”, explicou o profissional.

Indicações

Segundo o cirurgião dentista, a lente de contato é utilizada para pequenas correções e é recomendada para adultos, já que o crescimento da dentição já está completo. “Quando eu falo em pequenas correções, me refiro ao ponto de vista da odontologia. Porque para quem precisa são grandes correções. Ela é indicada para quem tem dentes manchados, dentes fora da harmonia, às pessoas que sorriem e não estão contentes com o seu sorriso, para quem almeja uma cor diferente ou ainda para quem quer harmonizar o rosto com um brilho diferente. Ela tem essa indicação de correções de harmonia com o mínimo desgaste possível”, descreveu.

Tratamento

De acordo com Archetti, para que seja feito esse tratamento é realizado todo um processo antes. “Inclusive na parte de clareamento, porque como é aplicada uma película muito delicada e fina nós temos que ter, no fundo do dente, uma cor bem agradável, bem clara, para que ela possa trazer essa cor de dente. Ou seja, a lente é tão fina que, ao colocar a porcelana, entremeio a resina e o dente, ela vai trazer o fundo do dente. Por isso nós precisamos clareá-lo”, explicou.

Avaliação

Para que essa estrutura fina seja aplicada nos dentes, é necessário uma avaliação. “A partir dessa consulta, nós fazemos fotografias, radiografias, uma moldagem de estudo, para que constatemos que é possível se utilizar da lente de contato ou mesmo de uma lâmina ou faceta – que é um pouco mais espessa e corrige o posicionamento, bem como restaurações de resina. Por isso utilizamos essa lâmina um pouco mais grossa, que tem a mesma tese”, afirmou Archetti.

Ele conta que em ambos os casos – lente de contato ou faceta –, antes de se imaginar em começar o tratamento, é feito todo um projeto em cima das fotografias de face e de dente. “Nós estudamos o caso detalhadamente. Isso é feito por meio de um programa de computador, em que fazemos a análise do quanto precisa ser aumentado o dente; o seu volume; a posição de lábio; a posição do sorriso; se o lábio está fazendo o rolamento interno; se a boca está caindo um pouco de lado. Por isso são feitas várias fotos e, a partir delas, é analisado o sorriso do paciente”, descreveu o profissional.

Após esta etapa, Archetti explica que o projeto vai para o laboratório de prótese, “onde nós falamos assim: ‘queremos tantos milímetros aqui, tantos milímetros ali, aumenta o volume aqui’, e o nosso laboratório faz uma escultura em cima do modelo que nós enviamos, preservando o primeiro modelo original. O laboratório nos devolve os dois modelos, o original e o esculpido conforme as nossas orientações, e o paciente volta. Quando ele volta, nós já temos o estudo do trabalho. Nós mostramos o modelo para ele, como ele está e como vai ficar”, acrescentou o cirurgião dentista.

Ele ainda justifica todas essas medidas que são tomadas antes de ser feito o tratamento. “Quando mexemos com estética, estamos mexendo em um campo muito sensível, em que os pacientes têm uma expectativa extremamente grande de querer ficar melhor. Imagine o quanto isso é frustrante se não conseguimos atingir o objetivo. E não teria como fazermos isso se não através de um trabalho que simule o que ele vai ter no futuro. Uma referência para o paciente falar: ‘puxa, é isso que eu quero. Vamos lá’”, justificou.

Procedimento

Após esses procedimentos, segundo Archetti, parte-se então para a sessão que prepara o sorriso do paciente. “A maioria das pessoas busca corrigir os seis dentes superiores, que vai de canino a canino e que ‘manda’ no sorriso. Em nossa clínica, por exemplo, há duas alternativas para ser feito o procedimento: nós utilizamos ou o laboratório de prótese, onde é feito o trabalho sem equipamento automático e pode levar de sete a quinze dias para se concluir; ou por meio de um equipamento alemão chamado Cad-Cam. Com esse equipamento, os pacientes chegam pela manhã e no final da tarde eles saem com os seus seis dentes de porcelana colocados”, relatou.

O especialista explica que com o Cad-Cam é utilizada uma porcelana importada, alemã, em que são usados blocos de cerâmica, os quais são fresados automaticamente em um equipamento 3D. “Então nós fazemos a cópia física, com uma câmera, que chamamos de scanner. Esse scanner faz uma leitura da superfície do preparo, onde nós vamos colocar as lâminas de porcelana. Aí, feita essa leitura, é como se fosse um modelo virtual, nós captamos a imagem, a qual é passada por um software, que é um modelo virtual, esse modelo virtual vai receber uma proposta. E sabemos exatamente o tamanho, dimensão do dente. E desse equipamento de captura é feito o trabalho. Desse equipamento são repassadas as informações para outro equipamento, que é uma fresadora, que pega os blocos que escolhemos as suas cores, como se fosse feito em um laboratório físico, é colocado lá e cada bloco desse é fresado em dez minutos. Depois de fresado nós fazemos a texturização com microscópio e é feita a queima, em um forno próprio para porcelana, que vai a 800 °C. A partir daí está pronto o dente, o paciente chega de manhã, lá por 16h30, 17h, nós começamos a colocação das cerâmicas e 18h, o paciente já sai com todos os dentes colocados na boca”, descreveu.

Durabilidade

Quanto à durabilidade da lente de contato dental, o especialista afirma que é impossível determinar o tempo de vida útil. “A porcelana não acaba, porém é necessário que se cuide da estrutura do dente, porque o que pode acontecer é um problema na raiz natural do dente, um problema periodontal, ou seja, ósseo ou gengival. Assim, se eu tiver um cuidado geral com os dentes, a porcelana não vai alterar nem sequer o brilho”, afirmou.

Ele acrescenta dizendo que os cuidados que indica para os pacientes que passam pelo procedimento das lentes de contato dentais são os mesmos para as demais pessoas: “utilização do fio dental corretamente, utilização de uma boa escovação, utilização de enxaguatórios bucais e, fundamentalmente, que visite o dentista a cada seis meses – para fazer a limpeza. Tenho certeza de que com esses cuidados mínimos a pessoa vai ter um trabalho por um tempo muito grande”, lembrou.

Veja o depoimento de uma paciente que passou pelo tratamento da lente de contato dental:

“Comecei tratar minha boca há mais ou menos 12 anos, tendo passado por vários profissionais. Eu apresentava problemas de articulação, dores, falta de dentes, que geravam problemas estéticos. Com isso, minha autoestima estava baixa. O meu último diagnóstico, até então, era de que eu teria que recomeçar meu tratamento ortodôntico e voltar todos os dentes na posição inicial para depois efetuar a cirurgia para retrair minha mandíbula. Isto duraria em torno de quatro anos, sem contar com o trauma de uma cirurgia. Chorei muito. A conquista de um sorriso bonito era algo distante para mim. Tive muito boas referências sobre o doutor Ubiratan e marquei uma avaliação, há seis meses. No começo estava desconfiada. Então ele me pediu um tempo para ver o que poderia fazer por mim. Nessa hora já me senti mais segura. Desta vez eu acertei. Eu recomendo as lentes de contato para pessoas que realmente querem o seu sorriso de volta, pois elas recuperaram a sua autoestima”. Rozelei Trizotto

Clique para comentar
Para cima