Saúde

Como tratar os principais problemas da adenoide?

Dificuldade respiratória, apneia do sono e infecções de ouvido são sintomas de hipertrofia adenoideana

Popularmente conhecida como “carne esponjosa”, a adenoide é uma estrutura fisiológica, composta por tecido linfoide (tecidos de defesa), que se localiza atrás das cavidades nasais e acima do palato (céu da boca) – uma região chamada de nasofaringe. Por esse motivo, a adenoide é cientificamente denominada de tonsila nasofaríngea.

Apesar de ser um tecido de defesa e natural de qualquer indivíduo, seu crescimento exagerado pode causar uma séria de complicações que comprometem significativamente a qualidade de vida do paciente.

“A adenoide é uma estrutura de defesa imunológica, pequena ao nascimento, localizada no fundo do nariz, especificamente na região da nasofaringe. Ao contrário das amígdalas, não é possível ver a adenoide ao abrirmos a boca, pois esta fica acima do palato”, explica a otorrinolaringologista Renata Garrafa.

Segundo a especialista, a adenoide cresce rapidamente durante a infância, com pico entre 3 e 6 anos e, então, começa a regredir gradativamente de tamanho até se tornar significativamente menor na adolescência. Quando este crescimento é exagerado, a adenoide pode preencher toda a nasofaringe, resultando em obstrução da passagem do ar respirado pelo nariz, má qualidade do sono e voz anasalada, além de facilitar a ocorrência de otites.

“Adenoide não é o nome de uma doença, mas sim de uma estrutura normal que todo ser humano possui durante a infância. Assim como as amígdalas e outros órgãos linfáticos, a adenoide reage a micro-organismos agressores e produz anticorpos”, destaca a Dra. Renata.

No entanto, de acordo com a otorrinolaringologista, quando seu crescimento é exagerado, causando prejuízos significativos na respiração e na fala, além de propiciar o surgimento de otites, seus malefícios no desenvolvimento da criança e em sua qualidade de vida superam seus benefícios imunológicos.

A médica ressalta que não há uma explicação única para o crescimento exagerado da adenoide, mas algumas hipóteses são infecções virais de repetição, rinite, fatores genéticos e biofilmes bacterianos (colonização crônica da nasofaringe por bactérias). Entre os sintomas mais comuns estão dificuldade respiratória, obstrução nasal, ronco e apneia do sono, além de quadros de otite, sinusite e rinite de difícil tratamento.

Diagnóstico  e Tratamento

“Para o diagnóstico da hipertrofia acentuada da adenoide, nos baseamos primeiramente nos sintomas do paciente”, relata a especialista.

A confirmação pode ser feita através de uma radiografia lateral da face (Raio-X de Cavum) ou pelo exame de vídeo endoscopia nasal (nasofibroscopia) – uma pequena câmera é introduzida pelo nariz, permitindo melhor visualização de toda nasofaringe, sendo, portanto, o melhor método.

O principal tratamento para hipertrofia acentuada da adenoide é a cirurgia, chamada adenoidectomia. Mas nem toda adenoide grande precisa ser removida.

“Ela, geralmente, é indicada nas crianças com obstrução nasal importante, que dificulte o sono e a alimentação, ou que provoque o surgimento de otite média serosa ou otite média aguda recorrente. Na inexistência de sintomas ou em casos brandos, a adenoide pode ser acompanhada clinicamente até sua involução após a puberdade”, complementa a Dra. Renata.

Cirurgia

Relativamente simples e curta, a adenoidectomia é feita pelo otorrinolaringologista, sob anestesia geral. Habitualmente, o paciente fica internado apenas por um dia. 

A cirurgia é feita com a pessoa em jejum de pelo menos 8 horas, já que é necessária anestesia geral. O procedimento dura em média 30 minutos é consiste na retirada da adenoides através da boca, não sendo necessário fazer cortes na pele. Em alguns casos pode ser recomendado, além da cirurgia de adenoide, a realização de cirurgia de amígdalas e ouvido, já que também têm tendência para infeccionar.

O procedimento pode ser feito a partir dos 6 anos, mas nos casos mais graves, como apneia do sono, em que há parada da respiração durante o sono, o médico pode sugerir a cirurgia antes dessa idade.

A pessoa pode voltar para casa após algumas horas, normalmente até o efeito da anestesia passar, ou ficar internada durante uma noite, para que o médico acompanhe a evolução do paciente.

A cirurgia de adenoide não interfere no sistema imune, pois há outros mecanismos de defesa no corpo. Além disso, é raro que haja novamente crescimento da adenoide, no entanto no caso dos bebês, a adenoide ainda está em fase de crescimento e, por isso, pode ser notado aumento do seu tamanho ao longo do tempo.

Riscos cirúrgicos

A cirurgia da adenoide é um procedimento seguro, no entanto, assim como qualquer outro tipo de cirurgia, possui alguns riscos, como sangramentos, infecções, complicações da anestesia, vômitos, febre e inchaço do rosto, que devem ser imediatamente comunicados ao médico.

Recuperação 

Apesar da cirurgia de adenoide ser um procedimento simples e rápido, a recuperação da cirurgia dura cerca de 2 semanas, e durante esse tempo é importante:

  • Manter repouso e evitar movimentos bruscos com a cabeça;
  • Comer alimentos pastosos, frios e líquidos durante 3 dias ou de acordo com a orientação do médico;
  • Evitar locais com aglomeração, como shoppings;
  • Evitar o contato com pacientes com infecções respiratórias;
  • Tomar os antibióticos, de acordo com indicação do médico.

Durante a recuperação a pessoa pode sentir alguma dor, principalmente, nos três primeiros dias e, para isso, o médico pode receitar remédios analgésicos, como Paracetamol. Além disso, deve-se ir ao hospital caso haja febre superior a 38ºC ou sangramento pela boca ou nariz.

O que comer após a cirurgia

É recomendado comer alimentos de fácil deglutição, como:

  • Caldos e sopas passados no liquidificador;
  • Ovo, carne e peixe picados ou moídos, acrescentados às sopas liquidificadas ou junto ao purê;
  • Sucos e vitaminas de frutas e de vegetais;
  • Fruta cozida, assada ou amassada;
  • Arroz bem cozido e purê de legumes como batata, cenoura ou abóbora;
  • Leguminosas amassadas, como feijão, grão-de-bico ou lentilha;
  • Leite, iogurte e queijos cremosos, como requeijão e ricota;
  • ​Mingau de maisena ou aveia com leite de vaca ou vegetal;
  • Miolo de pão umedecido em leite, café ou caldos;
  • Líquidos: água, chá, café, água de coco.
  • Outros: gelatina, geleia, pudim, sorvetes, manteiga.
  • Água à temperatura ambiente é mais indicado e deve-se evitar os alimentos muito quentes ou muito gelados. 

O que evitar?

  • Biscoito, torrada, pão e outros alimentos secos devem ser evitados na primeira semana. Se desejar comer um destes alimentos deve molhar na sopa, num caldo ou suco antes de levar à boca.
  • Evitar leite e alimentos gordurosos no primeiro dia.

Sintomas

As adenoides de tamanho normal não provocam nenhum sintoma e desaparecem na adolescência, sem provocar problema algum. Porém, em algumas crianças com infecção respiratória de repetição, elas podem crescer, tornando-se permanentemente hipertrofiadas durante toda a infância. Fique atento aos sintomas:

  • Ruído ao respirar
    As adenoides hipertrofiadas podem obstruir a passagem de ar pela cavidade nasal, provocando alterações como respiração ruidosa, respiração permanentemente pela boca, apneia do sono, roncos noturnos, voz anasalada e coriza persistente.
  • Ronco
    As dificuldades respiratórias são mais comuns à noite, pois quando dormimos nossa musculatura relaxa, aumentando, assim, a obstrução das vias aéreas pela adenoide hipertrofiada.
  • Sono atribulado
    Crianças com adenoides grandes podem ter pesadelos frequentes, sono irregular, sono turbulento e episódios curtos de parada respiratória, chamadas apneia noturna. A criança dorme mal e passa o dia irritada, cansada e sonolenta.
  • Dificuldade auditiva
    O aumento de tamanho das adenoides também pode causar obstrução da tuba de Eustáquio (tuba auditiva), que é um canal que liga a cavidade nasal ao ouvido médio e ajuda a manter a pressão do ar igual dos dois lados do tímpano. A obstrução da tuba de Eustáquio pode provocar audição abafada, dor de ouvido, sensação de estalidos no ouvido ou infecções recorrentes no ouvido médio (otite média).

Face adenoideana


A hipertrofia das adenoides faz com que as crianças respirem persistentemente pela boca, o que leva a alterações na anatomia da face e dos dentes, provocando uma aparência chamada fácies adenoideana. Crianças com fácies adenoideana caracteristicamente possuem um rosto alongado, dentes incisivos proeminentes, dentes agrupados, maxila pouco desenvolvida, lábio superior curto, narinas elevadas e um palato arqueado.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima