Saúde

Mais de 3 mil plantas nutritivas e não convencionais podem ser usadas na alimentação

Assessoria

Existem mais de três mil plantas não convencionais comestíveis catalogadas no Brasil. Ricas em nutrientes e com alto teor de proteína, podem ser incluídas em nossa alimentação, mas ainda não são muito conhecidas pela população.

As PANC, acrônimo para Plantas Alimentícias Não Convencionais, estão em quase todo lugar: nas pracinhas, em terrenos, no jardim, horta ou em canteiros de rua, e são consideradas apenas um ‘matinho’ para quem não sabe sobre essa possibilidade alimentar.

De acordo com o biólogo amazonense e criador da sigla PANC, Valdely Ferreira Kinupp, esses vegetais são espécies espontâneas ou silvestres, orgânicos pela própria essência, e com grande variedade de nutrientes que melhoram as funções do corpo e ajudam a prevenir várias doenças.

“Consumir Pancs é uma forma de valorizar a biodiversidade, reestabelecer a saúde e experimentar novos sabores. Além disso, é possível aumentar o repertório alimentar com incontáveis pratos da culinária brasileira não convencional”, explica Valdely, que esteve em Curitiba a convite do Centro Europeu, em parceria com o Festival Sustentável Curitiba Santé, para participar de uma aula especial do curso de especialização em Cuisine Santé.

Durante sua passagem por Curitiba, Valdely gravou na sede de gastronomia do Centro europeu, ao lado do chef Renhard Pfeiffer, a receita de um Baião de PANCs (confira receita abaixo).

Sustentabilidade e nutrição

Incluir as PANCs no dia a dia também é uma iniciativa sustentável. Isso porque, segundo Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), somente 30 espécies de plantas fornecem 95% da demanda humana por comida, em um universo de incríveis 30 mil variedades.

Valdely destaca os benefícios diretos e indiretos de incluir as PANCs na alimentação. “Entre os benefícios diretos estão uma alimentação mais orgânica e saudável, que pode ser produzida em pequenas áreas em casa residenciais. Já o benefício indireto é uma contribuição para o planeta, tendo em vista que estamos falando de alimentos sem o uso de agrotóxicos ou adubos químicos”, completa.

Outra dica do biólogo é para que as pessoas busquem informações sobre como identificar as PANCs indicadas para a alimentação humana. “Elas não são convencionais, não estão na merenda ou nas feiras. As pessoas leigas devem fazer cursos e se qualificar para identificar as PANC. O que pode ser feito é ir às feiras orgânicas e começar a encomendar plantas do agricultor, como ortiga, picão branco, preto ou uma fruta diferente”, orienta Valdely.

Entre as espécies de PANCs estão a ora-pro-nóbis, também chamada como carne-de-pobre, possui alto teor de proteína, é rica em vitaminas do complexo B, A e C, fibras e fósforo. As folhas são sua parte comestível, podendo ser consumidas secas ou frescas, cruas ou cozidas, e até acrescentada a massas de pães. Já a bertalha também é trepadeira com folhas e caules verdes, carnosos e suculentos, com aparência similar à do espinafre. É rica em vitamina A, vitamina C, cálcio e ferro. As folhas e os ramos novos devem ser consumidos logo após a colheita, refogados ou em substituição ao espinafre e à couve, ou em omeletes, quiches e tortas. Crua, pode ser ingerida junto a saladas verdes.

BAIÃO DE PANC
(Chef Reinhard Pfeiffer)

• 2 xícaras (chá) de arroz vermelho (cozido)

• 2 colheres (sopa) de gengibre ralado

• 5 colheres sopa de manteiga de garrafa

• ½ xícara de tofu defumado picado (substituto do bacon)

• 1 cebola roxa picada

• 1 pimenta dedo de moça picada

• 1 pimentão vermelho picado

• 1 xícara de cogumelos portobelo (laminados)

• 3 dentes de alho picados

• Cominho (despertar no fogo antes)

• 2 xícaras (chá) de feijão-de-corda ou carioca cozido al dente (salgar quente após cocção)

• 4 e 1/2 xícaras (chá) de caldo de legumes (salsão, cenoura, tomate, cebola, ervas)

• Sal e pimenta-do-reino a gosto

• 1 xícara (chá) de queijo coalho em cubos (grelhar antes)

• 2 colheres de coentro picado

• Páprica defumada

• 1 xícara de PANC picadas

• 1 xícara de tomate cereja confitado

• Manteiga de garrafa (para finalizar)

Modo de preparo:

Aqueça 1 colher de sopa de manteiga com o gengibre fresco até começar a fritar. Acrescente o arroz vermelho e refogue demoradamente. Junte o caldo de legumes fervente e o sal. Quando o caldo retomar à fervura, abaixe o fogo, tampe a panela e cozinhe por cerca de 35 minutos. Destampe e cozinhe por mais 10 minutos ou até a água secar. Desligue o fogo e mantenha o arroz por 5 minutos em panela tampada para finalização do cozimento. Reserve. Numa frigideira, doure os cogumelos na manteiga de garrafa , o tofu defumado e a pimenta dedo de moça, salgue, tempere com pimenta e acrescente o feijão, o arroz e o queijo coalho . Tempere com pimenta, páprica, coentro e finalize com as Panc e os tomates confitados. Acrescente mais manteiga para dar um brilho. Desligue o fogo e transfira para uma travessa.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima