Saúde

Quando o protetor solar não protege?

Assessoria/ABCFarma

A chegada do verão é a temporada mais “perigosa” para a pele. Isso porque, não reaplicar o protetor solar, usar produto vencido e ignorar algumas partes do corpo são alguns dos tropeços mais comuns ao usar o filtro.

Assim, a médica dermatologista, Maria Paula Del Nero, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, lista os sete equívocos mais comuns e como evitá-los, a fim de prevenir o câncer de pele.

Quantidade insuficiente do produto: “Para que a proteção seja efetiva, é preciso aplicar a quantidade correta de protetor solar no corpo e no rosto. Para o corpo, costumamos indicar o equivalente a três colheres de sopa. No rosto, uma colher de café é suficiente”, orienta.

Aplicar o protetor solar apenas na parte da manhã: pode-se começar o dia com essa rotina de aplicação, mas o produto deve ser reaplicado a cada três horas ou quando houver sudorese intensa, banhos de mar ou piscina. “Mesmo quem está em ambiente fechado e climatizado deve reaplicar o protetor solar a cada 12 horas”, diz a médica.

Não passar no corpo porque está coberto com roupa: segundo Maria Paula, os trajes são uma barreira física de proteção contra o sol, mas não são 100% eficazes. “Se houver exposição solar, as pessoas precisam passar o protetor solar no corpo mesmo assim. Sempre indicamos que o produto seja utilizado embaixo de biquínis e maiôs, por exemplo, pois os raios UV são capazes de penetrar na fibra dos tecidos e prejudicar a pele”.

Não passar o produto por ficar em ambiente fechado: a médica recomenda o uso de protetores solares que agem contra a luz visível, pois o corpo sofre fotoenvelhecimento também em locais fechados. “A iluminação de aparelhos eletrônicos, como computadores, tablets e celulares também pode acelerar o envelhecimento da pele”.

Descuidar na atividade física: quem se exercita ao ar livre precisa de um produto mais aderente à pele, que não saia com a transpiração. “O ideal são os protetores infantis ou específicos para esportes. Eles são resistentes à água e não escorrem nos olhos”, ensina Maria Paula.

Não levar em conta o tipo de pele: isso tem a ver com a durabilidade do produto sobre a cútis e também sobre a saúde do órgão. Peles oleosas, por exemplo, devem usar como veículo de proteção o gel ou sérum; as mistas, o gel creme; e as secas, os protetores em creme.

Usar só em dia de sol: esse erro é bastante comum e costuma render queimaduras feias nos banhistas. É que os raios nocivos atuam mesmo em dias nublados. O indicado, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, é o uso de Fator de Proteção Solar (FSP) 30, no mínimo, diariamente.

“Pelo fato de vivermos em um país tropical, o câncer de pele é o mais comum no Brasil e pode ser fatal. É preciso conscientização sobre o uso do protetor solar como forma de prevenção desde a infância até a terceira idade”, conclui a médica.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima