Saúde

Saiba mais sobre a gripe

Após as altas temperaturas registradas no verão, eis que chega o outono, fazendo com que a temperatura diminua um pouco. Com isso, é bastante comum que o organismo necessite de cuidados especiais, visto que essas mudanças climáticas podem facilitar a transmissão dos vírus.

Mas você sabe qual a diferença entre gripe e resfriado? De acordo com o médico clínico-geral, Diogo Luiz Siqueira, a gripe é uma infecção no sistema respiratório causada pelo vírus influenza, um vírus que é altamente mutante. Os sintomas geralmente são: febre alta, dores no corpo, dor de cabeça, tosse e sensação de fraqueza intensa.

Os resfriados comuns, por sua vez, são causados mais frequentemente pelos vírus sinciciais, rinovírus e coronavírus. Neste caso, o paciente apresenta sintomas mais brandos como febre baixa, coriza, fungor e mal estar.

Duração dos sintomas

De acordo com o profissional, os sintomas da gripe geralmente desaparecem em até sete dias. “A febre dura em torno de três dias. Contudo, os sintomas respiratórios como tosse, dor de garganta, coriza, podem persistir por 4 a 5 dias após o desaparecimento da febre. Por outro lado, os resfriados cursam com sintomas mais breves, tendo resolução, na maioria dos casos, em até quatro dias”, explicou.

Transmissão

Conforme Siqueira, estes vírus podem ser transmitidos por gotículas de secreção salivar ou nasal, veiculadas pela tosse, espirro ou até mesmo durante uma conversa. Além disso, a transmissão pode se dar de maneira indireta, ou seja, ao tocar superfícies recentemente contaminadas por secreção infectada, o indivíduo pode carrear os vírus diretamente a boca, nariz e olhos.

Tratamento

Siqueira explica que o tratamento para os resfriados é sempre sintomático. No caso da gripe, ele pode ser dividido de duas formas: sintomático ou específico. “Quando temos um quadro de influenza não complicado, o tratamento se faz com medicação sintomática, que são os antitérmicos, analgésicos, além da hidratação, alimentação leve e repouso. Já nos casos com complicações, como a pneumonia, é necessário tratamento específico, de acordo com a avaliação médica”, afirmou.

Prevenção

Segundo o médico, várias medidas podem ser tomadas a fim de prevenir a transmissão da doença. Dentre elas, a lavagem e higienização frequente das mãos, sobretudo antes de consumir alimentos; a utilização de lenço descartável para higiene nasal; cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar; evitar tocar no nariz, boca e olhos; não compartilhar objetos de uso pessoal, como copos e talheres; higienizar as mãos após espirrar ou tossir; manter os ambientes bem arejados; evitar aglomerados e contato próximo com pessoas gripadas.

O médico, ainda, acrescenta uma importante medida de prevenção: a vacina contra a influenza. No Paraná, o início da campanha de vacinação está previsto para o dia 22 de abril, em parceria com as secretarias municipais de saúde. Veja algumas dúvidas frequentes, acerca desta vacina:

Diário – Quais são os grupos contemplados nesta campanha?

Siqueira – Segundo o Ministério da Saúde, devem ser vacinadas as crianças entre 6 meses e 5 anos incompletos, gestantes, mulheres em pós-parto até

45 dias, indígenas, idosos a partir de 60 anos, doentes crônicos, trabalhadores da área da saúde e população privada de liberdade.

Em quais locais serão disponibilizadas gratuitamente estas vacinas pelo Ministério da Saúde?

As vacinas estarão disponíveis em todas as unidades básicas de saúde.

A vacina contra a gripe sempre funciona?

Segundo estudos epidemiológicos, a vacina é eficaz em 89% dos casos.

A vacina contra a gripe é segura?

A vacina é segura, não apresentando reações colaterais graves.

Esta imunização contra a gripe pode causar gripe?

Não, pois os vírus da vacina estão mortos não podendo se reproduzir na pessoa vacinada.

Ela imuniza contra resfriados?

Não. A vacina imuniza somente contra surtos de influenza.

Quanto tempo leva para a vacina começar a fazer efeito?

Após 15 dias da aplicação da vacina.

Clique para comentar
Para cima