Segurança

Policia prende grupo de extermínio que agia em Chopinzinho

Após dez meses de investigação, as policias Civil e Militar desenvolveram na manhã desta sexta-feira (13) a Operação Trilha, no cumprimento de mandados de prisão contra integrantes de um grupo de pistoleiros de aluguel que agia desde 2008 na região de Chopinzinho. Entre os presos estão dois policiais militares e um civil, suspeitos de envolvimento em mais de dez homicídios.

A operação envolveu mais de 100 policiais civis do Paraná, com o auxílio de policiais de Santa Catarina. As prisões ocorreram em várias cidades do sudoeste do Paraná e também em Santa Catarina. Um dos suspeitos, que reside em Saudade do Iguaçu, reagiu à prisão. Ele atirou contra os policiais, mas não acertou e acabou preso. Durante a operação também foram apreendidas armas e equipamentos que eram utilizados pelo grupo de extermínio.

Moto preta

Na maioria dos crimes os pistoleiros utilizaram uma moto preta e usavam capacete para dificultar a identificação. Mas, durante o trabalho de investigação, foram levantados os nomes dos suspeitos, com as polícias Civil e Militar cortando a própria carne para desvendar os homicídios. Os nomes dos acusados não foram divulgados porque o processo corre em segredo de Justiça.

Investigação

O delegado Rômulo Contin Ventrela, que comandou a operação, afirmou que policiais das Delegacias de Coronel Vivida e Pato Branco se empenharam com o objetivo de solucionar a onda de homicídios que vinham ocorrendo em Chopinzinho e região. Foram dez meses de investigação no levantamento de nome de suspeitos até deflagrarem a Operação Trilha na manhã desta sexta, que culminou na prisão de dez pessoas, entre elas, dois policiais militares e um civil, envolvidos no grupo de pistolagem que agia na região.

O delegado Rômulo informou que havia dois pistoleiros que agiam em conjunto com outras pessoas, sendo que os policiais envolvidos teriam chegado ao ponto de até encomendar mortes. Nós temos pelo menos dez crimes de homicídio, tentados e consumados, que são ligados a essas pessoas. No entanto, acreditamos que esse número possa ser bem maior, mas são investigações complexas, sendo necessário garimpar provas porque eram profissionais que procuravam não deixar vestígios dos crimes que cometeram, revelou.

Motivos

O delegado Rômulo disse que os motivos dos homicídios são diversos por se tratarem de crimes encomendados. Pode ser desde uma desavença familiar até um desacerto no mundo do crime. O que a gente apurou é que acabou se banalizando. Muitos falavam só está morrendo ladrão, o que é uma inverdade. Independente se a pessoa tinha ou não passagem pela polícia esse tipo de crime não pode jamais ficar impune. O que é pior, muita gente inocente acabou sendo morta por essas pessoas quase que por tabela. Não vou citar casos, mas em pelo menos dois crimes morreram pessoas que não tinham nada a ver com a desavença que existia entre mandante e vítima, e que também acabaram sendo assassinadas, completou.

O comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM), tenente-coronel Éveron César Puchetti Ferreira, afirmou que as prisões são fruto de investigação de muitos meses com o objetivo de elucidar crimes contra a vida que ocorreram em Chopinzinho e região. Ele informou que os dois policiais militares ficarão presos no 3º BPM. Utilizamos a força possível para dar uma resposta à sociedade, mesmo que seja necessário agir dentro de casa, afirmou.

Clique para comentar
Para cima