Social

Sindicato Rural de Pato Branco: cinco décadas de pujança e valorização dos produtores rurais

Com o lema Classe unida, produtor fortalecido, o Sindicato Rural de Pato Branco só tem a comemorar, já que em julho de 2018 completa 50 anos.

Um grande evento foi realizado no Sindicato Rural, no qual foram homenageados os dez presidentes que passaram pela entidade nessa caminhada.

E, neste informe, pode ser conferido um pouco da trajetória do Sindicato Rural, bem como os planos para o futuro — um deles, inclusive, é a construção de sua nova sede.

Buscando defender os interesses dos produtores rurais, bem como valorizar as atividades do homem do campo, foi fundado, em julho de 1967, o Sindicato Rural de Pato Branco.

A entidade, que a princípio contava com 36 associados, teve Gaetano Fioravante Antoniolli, como seu primeiro presidente. Durante seus 50 anos de história, o Sindicato Rural teve 10 gestores, sendo que o atual presidente é Oradi Francisco Caldato, que está a frente da entidade desde 2010.

Além de seu município sede, o Sindicato Rural de Pato Branco também abrange os municípios de Bom Sucesso do Sul, Itapejara D'Oeste e Mariópolis; e atualmente conta com cerca de 520 associados.

Graças à entidade — que tem como alicerce três pilares: trabalho em equipe, representatividade efetiva da categoria e atendimento direto ao produtor rural —, houve o fortalecimento da classe durante estas cinco décadas.

Além disso, o Sindicato Rural de Pato Branco está ligado à Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP) e à Confederação Nacional da Agricultura (CNA), sendo que trabalha inspirada em cinco princípios básicos: solidariedade social, livre iniciativa, direito de propriedade, economia de mercado e interesses do país, buscando congregar a categoria, defender e representar seus interesses de maneira organizada e solidária, em prol de sua valorização e do desenvolvimento da agropecuária.

Parcerias

Para que sua atuação seja efetiva perante seus associados, a entidade desenvolve seu trabalho com a busca constante de parcerias, e acredita que com trabalho em conjunto é possível construir uma sociedade melhor no desenvolvimento de ações rotineiras.

Um dos serviços prestados contempla a formação e o treinamento profissional do produtor rural, mediante cursos oferecidos por meio do convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR).

Com isso, busca-se levar o aprimoramento, a ampliação do acesso ao conhecimento e a abertura de oportunidades para o aumento da produtividade; assim, fortalecendo a classe, com mais renda, diminuição do êxodo rural e proporcionando mais qualidade de vida no campo.

Ainda, a entidade oferece aos associados serviços nas áreas de recursos humanos, tributação, financeira, entre outras. Dessa forma, no processo de construção da história do Sindicato Rural de Pato Branco, muitos trabalharam incansavelmente, a fim de que a classe rural conheça hoje seus deveres; e, sobretudo, tenha seus direitos preservados e respeitados.

Com o lema Classe unida, produtor fortalecido, a entidade é o produtor rural. Ou seja, sabe que todos precisam acordar diariamente para preparar a terra, plantar, cuidar dos animais e esperar o momento certo para colher. O processo é longo, que exige paciência e dedicação. E é graças a este trabalho que há a garantia do alimento à mesa da população e o desenvolvimento nacional.

Também é graças à dedicação do produtor rural que o Brasil segue firme na posição de grande celeiro agrícola. Resultado que prova a determinação de uma classe, que não se deixa abalar com as intempéries do clima.

Por isso, o Sindicato Rural só tem a comemorar estes 50 anos de história. Agradece a todos os seus parceiros de história, e, sobretudo, aos seus associados, que contribuíram para que a entidade se fortalecesse a cada dia. E espera que várias outras décadas sejam celebradas, como o seu cinquentenário.


Fatos importantes durante os 50 anos do Sindicato Rural:

– Em julho de 1967, foi fundado o Sindicato Rural

– No dia 8 de julho de 1968, o Ministério do Trabalho elevou a associação à categoria de Sindicato

– É filiado à Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP) e à Confederação Nacional da Agricultura (CNA)

– Possui convênio com o Senar, por meio do qual são oferecidos cursos de aprimoramento

– Presta serviços nas áreas Trabalhista, Previdenciária, Tributário e Financeiro, Ambiental e Contratos

– Possui convênio com a Unimed


Idade nova, sede nova

Em seu cinquentenário, o Sindicato Rural de Pato Branco comemora com a construção de nova sede

Durante a sua trajetória, o Sindicato Rural de Pato Branco teve duas sedes. A primeira, na rua Caramuru, esquina com a Araribóia; e a segunda e atual, situada na rua Osvaldo Aranha, 377; sendo que, nesta última, as atividades são realizadas desde o dia 3 de março de 1979.

Hoje, os tempos são outros. A quantidade de associados aumentou; as demandas também ampliaram. Com isso, surge a necessidade de melhorias e expansão também na área física da entidade.

Pensando nisso, a diretoria do Sindicato Rural buscou uma solução. Há mais de 60 dias, está construindo uma nova sede. Localizada na rua Marins Alves de Camargo, 128, Centro — há apenas três quadras da atual estrutura —, a obra tem previsão para ser entregue em meados de 2019.

De acordo com o atual presidente da entidade, Oradi Caldato, até pouco tempo a parte inferior do prédio estava alugada ao Consórcio Intermunicipal de Saúde (Conims). Após a mudança do Conims para outro endereço, era preciso fazer o investimento no prédio, porque no ano do cinquentenário, nós, com recursos em caixa, não poderíamos deixar um prédio naquela situação.

Assim, após reunir os demais membros da diretoria e os associados, Caldato conta que a maioria considerou que seria um investimento muito elevado, em um prédio bastante antigo; o que não seria um bom negócio.

Dessa forma, optou-se por fazer uma permuta com uma construtora. A construtora ficou com o imóvel da atual sede, com 662,50 metros quadrados, e vamos pagar R$ 200 mil; sendo que a contrapartida é a construção de outro imóvel, em outro endereço, situado bem ao Centro, há três quadras do atual, destaca Caldato. Entendemos que foi um negócio muito bom para o Sindicato Rural e para o município também. E digo o porquê. Com certeza, num futuro não muito distante, ali naquele local, será construído um edifício e a construtora tem as suas condições. E nós estaremos em um prédio novo, adequado, com estacionamento interno, para a comodidade de todos os associados e aqueles que nos visitam.

Conforme o presidente, a nova sede contará com 1.377 metros quadrados de área construída, sendo a parte de atendimento no primeiro piso. Já no segundo piso destaque para as duas salas para cursos e capacitações, bem como um auditório para 100 lugares. Além disso, haverá garagem coberta para 15 veículos, aos fundos do prédio. Se compararmos somente a área em que funciona o Sindicato hoje, com a nova estrutura, haverá o aumento de mais de 545% da estrutura no novo endereço. É importante destacar que hoje trabalhamos com nove colaboradores, além de alguns estagiários. Com essa nova estrutura, teremos — só no primeiro piso — capacidade para 20 colaboradores. Então está preparado para crescer. Nós já previmos isso, e tivemos esse cuidado, observa Caldato.

 

Futuro

Além da nova sede, o presidente afirma que a entidade pretende, nos próximos anos, continuar com as capacitações, envolvendo os jovens e os associados. Ele cita como exemplo o Jovem empreendedor, um curso que abre a cabeça dos participantes, para que se desenvolvam projetos em suas propriedades, passando a produzir mais, a desenvolvê-la melhor.

Outro exemplo, segundo Caldato, é o curso Herdeiros do campo, desenvolvido pela Faep, e que o Sindicato Rural de Pato Branco foi o primeiro a ofertá-lo no Sudoeste do Paraná, sendo que neste momento estamos com três cursos em andamento em nossa área de atuação. Pensando na sucessão familiar, a Faep desenvolveu esse curso. Muitas propriedades sucumbem, por não preparar o futuro sobre quem vai administrar aquele patrimônio que os pais e os avós construíram com tanto sacrifício. Então, o 'Herdeiros do campo' reúne a família, o pai, a mãe, sucedido e sucessor, e é trabalhada essa questão. Então isso é preocupação com o futuro, e esse mesmo futuro garante a permanência do sindicato.

Também, com relação ao futuro do sindicato, o presidente lembra que a entidade sempre trabalha motivando os associados, falando para eles sobre seus grandes avanços. Mas não podemos nos dar o luxo de dizer que nós não precisamos da FAEP e da CNA. Costumo dizer o seguinte: nós estamos do lado de cá do rio. Quem decide, está do lado oposto. E nós precisamos da ponte. Essa ponte, com a sua estrutura técnica, jurídica, econômica, é que nos ajuda a lá na frente nós decidirmos sobre os interesses que nós temos aqui.

Ele ainda destaca os companheiros de sindicato. É sempre bom lembrar que nós não fazemos nada sozinhos. Nós temos companheiros valorosos, distribuídos no município de Mariópolis, que tem um vice-presidente, o Nelson André De Bortolli, da Camisc; um vice-presidente em Pato Branco, o Itamar Viola; um vice-presidente em Bom Sucesso do Sul, o Jailson Gemi; e um vice-presidente em Itapejara D'Oeste, o Atílio Venturini. Além de membros de diretoria nos quatro municípios. Então nós não fazemos nada sozinhos. Além de uma excelente equipe de colaboradores e estagiários, que atende no dia a dia lá no Sindicato Rural. E a orientação da Clemilda Dala Costa Marques Carneiro, no dia a dia da nossa equipe, que é secretária executiva há mais de 20 anos. Somos muito gratos a todos.


 

Presidentes do Sindicato Rural, durante seus 50 anos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Clique para comentar
Para cima