Sudoeste Tecnológico

Pato Branco se consagra capital tecnológica e inovadora do Paraná

Há mais de 100 empresas de base tecnológica no município, que faturam mais de 500 milhões por ano - Fotos: Assessoria/PMPB

Desde o dia 27 de outubro deste ano Pato Branco é a Capital Tecnológica e Inovadora do Paraná. O título foi concedido através da Lei nº 20.363, proposta pelo deputado estadual, Luiz Fernando Guerra, decretada pela Assembleia Legislativa do Estado (Alep) e sancionada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Com esse reconhecimento, a comemoração da honraria passa a ser inserida no Calendário de Eventos Turísticos do Paraná, durante a Semana da Tecnologia e Inovação, celebrada anualmente entre os dias 16 e 22 de outubro.

Guerra ressaltou que “é um orgulho ser pato-branquense, ter acompanhado o crescimento da cidade, ver o seu potencial de desenvolvimento ser atingido a ponto de se tornar referência no país, e uma honra poder ter atuado para que esse reconhecimento fosse concedido. Com inovação e tecnologia caminhamos a passos largos para um futuro melhor”.

Esse título não foi concedido à toa, a trajetória tecnológica do município é longa e próspera. O Parque Tecnológico de Pato Branco, por exemplo, é modelo para o Brasil, cumprindo com sua vocação e pesquisa, inovação e incubação de empresas de base tecnológica.

Especialistas na área destacam que o desenvolvimento sustentável de qualquer região passa pela tecnologia, pela inovação e pela ciência, quando aplicadas em diversos setores. Ao reunir empresas e desenvolvedores de produtos e serviços, o Parque de Pato Branco vem cumprindo esse papel no desenvolvimento regional, estimulando a abertura de novas empresas, gerando emprego e renda, contribuindo para a redução das perdas e o aumento dos lucros.

Status alcançado

Naquela oportunidade, o secretário municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Vinícius De Bortolli foi questionado sobre qual a importância desta certificação para o município, e afirmou que o título torna oficial o status alcançado e já reconhecido por diversas entidades estaduais e nacionais.

“Já temos o programa de turismo tecnológico, onde recebemos quase 200 prefeitos de todo o país, além de comitivas semanalmente de todas as partes do Brasil e até internacionais. Também facilita a comercialização de produtos locais do setor, pois aplica um selo de tecnologia e inovação sobre tudo o que é feito aqui”, frisou.

Base tecnológica

De Bortolli contou ainda que há mais de 100 empresas de base tecnológica no município, que empregam mais de 3 mil pessoas, e faturam mais de 500 milhões por ano.

“Precisamos de forma urgente ampliar a base do Parque Tecnológico, que já está lotado, e a procura tem aumentado no último ano, apesar da crise. Temos um projeto de construir mais 7.500 m2 para abrigar novas iniciativas”, ressaltou.

O secretário destacou também outros fatores que ajudaram Pato Branco a chegar nesse patamar tecnológico. “Em 2007, outra iniciativa bem importante: a criação da Lei do Polo Tecnológico ou Lei de Incentivo Tecnológico, a qual incentiva a instalação de indústrias de produtos eletroeletrônicos, telecomunicações e de informática através da cobrança diferenciada de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) (Alep, 2019). Tal lei permitiu ao município receber o investimento de diversas empresas do setor eletroeletrônico, como Visum (atual Hi-mix), Soft Eletrônicos, Serdia e ATEII, dentre outras, criando centenas de empregos (Patob, 2019)”, relembrou.

Integração

De Bortolli ressaltou ainda que mais do que leis, Pato Branco tem um ecossistema integrado, solidário e participativo, que integram 15 entidades locais que compõem o Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação.

“Este Conselho dita os rumos do setor de forma equalizada, ponderada e estratégica. Está havendo um despertar para a importância da Ciência, Tecnologia e Inovação. O desenvolvimento econômico, social e ambiental passa necessariamente por este setor. O reconhecimento do governo estadual revigora ainda mais nossos esforços em melhorar a qualidade de vida em nosso município”, frisou.

Projeção nacional

Sobre o título, o prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, reafirmou que o município tem uma importante projeção no setor de tecnologia. “Intensificamos o trabalho nos últimos oito anos criando a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e promovemos uma feira que teve dimensão nacional. Acredito que o governador, com conhecimento de causa, porque participou da última Inventum ao transferir a sede do governo do Estado para Pato Branco naquela oportunidade, teve a condição de verificar a capacidade, organização e projeção que Pato Branco tem nessa área, e sancionou a lei”.

A experiência vivida no município, ao promover uma edição da Campus Party – maior evento de inovação, tecnologia e negócios do país – dentro da Inventum, também foi destacada pelo prefeito.

Maior desafio

Zucchi observou que Pato Branco tem um desafio nos próximos anos, que é dar continuidade a esse trabalho. “Importante não desmotivar a sociedade que está envolvida e mobilizada nesse setor, em atividades voltadas à tecnologia que o município tem desenvolvido em parceria com a iniciativa privada. É fundamental também ampliar o Parque Tecnológico e trabalhar cada vez mais na atração de investimentos no desenvolvimento de talentos da nossa cidade, gerando novas empresas no setor de TI”, frisou.

Carimbo

Segundo o prefeito, esse título carimba Pato Branco com o reconhecimento do poder público estadual. O município também teve representatividade em uma palestra do Conselho Municipal de Desenvolvimento de Londrina onde foi tratada a questão da tecnologia.

Zucchi destacou também que comitivas de vários municípios visitaram Pato Branco para conhecer o trabalho desenvolvido nessa área.

“O maior desafio do poder público é continuar esse projeto, e que ele não tenha paternidade, mas tenha a participação de todos os atores e instituições envolvidas, como é o caso do Sebrae, NTI, Pato Branco Tecnópole e várias outras entidades. Mas também das empresas, porque o polo tecnológico não sobrevive se não tiver o desenvolvimento econômico, para alçar voos maiores”, enfatizou.

Gigante chinesa

Pato Branco já está colhendo os frutos de ter recebido o título de Capital Tecnológica e Inovadora do Estado do Paraná. Em virtude disso, atraiu a atenção de uma gigante chinesa da área de tecnologia e comunicações, interessada em conhecer o que o município tem a oferecer nesse setor.

No início de novembro, Mateus Martini, diretor da Regional Sul da empresa Huawei, que atua no Brasil há 22 anos, visitou o Parque Tecnológico de Pato Branco para conhecer suas potencialidades, principalmente das pequenas empresas de tecnologia, com o objetivo de desenvolver parcerias para aplicações futuras de seus equipamentos eletrônicos.

A Huawei Technologies Co. Ltd. é uma empresa multinacional de equipamentos para redes e telecomunicações, sediada na cidade de Shenzhen, província de Guangdong, na China. É a maior fornecedora de equipamentos para redes e telecomunicações do mundo.

Com sólidas parcerias com a indústria local, a Huawei está comprometida com a criação de valor para operadoras de telecomunicações, empresas e consumidores, oferecendo produtos e soluções de alta qualidade e inovação em mais de 170 países e territórios. Com mais de mil funcionários diretos e 15 mil indiretos em todo o mundo, a empresa atende mais de um terço da população mundial.

No Brasil há 22 anos, a Huawei é líder no mercado nacional de banda larga fixa e móvel por meio das parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telecomunicações. Possui escritórios nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba e Recife, além de um centro de distribuição em Sorocaba (SP) e um Centro de Treinamento em São Paulo.

Lei de incentivo

Na oportunidade, a empresa deixou claro que a lei de incentivo na área de eletrônicos e telecomunicações foi um dos atrativos que a fez analisar a possibilidade de se instalar em Pato Branco.

O secretário municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pato Branco, Marcos Vinícius De Bortolli, explicou que a empresa Huawei veio a convite de uma das empresas que já está no parque tecnológico, a Emiteli.

“A primeira ideia é desenvolver parceria com a Huawei, em aplicativos. Caso isso se desenvolva adequadamente, poderemos ter um laboratório de telecomunicações em Pato Branco, onde uma das possibilidades é testar o 5G, mas somente no Parque Tecnológico, porque ele ainda não está definido no Brasil, seria algo experimental”, destacou.

Parcerias de sucesso

Mateus Martini, diretor da Regional Sul da empresa Huawei, contou que a ideia da empresa é fazer parcerias em Pato Branco. No Brasil, está atuando há 22 anos, em conjunto com as operadoras de telecomunicação, como Tim, Vivo, Oi, Claro e demais, auxiliando na implantação de equipamentos e de redes como a 2G, 3G, 4G e 4.5G. “Agora estamos auxiliando e aguardando a questão do 5G”, ressaltou.

Martini revelou que ao saber da titulação de Pato Branco, decidiu conhecer a cidade e suas potencialidades. “Achei muito bonita, bem tecnológica. Vim verificar as parcerias que podemos desenvolver, possivelmente montar um smart campus com alta conectividade, no Parque Tecnológico, e viabilizar essas parcerias”, salientou.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima