Vídeos de celebridades auxiliam atletas brasileiros na preparação da Paralimpíada

A equipe de psicologia do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) realizou diversas atividades durante o período de aclimatação para os Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020 com os atletas que vão representar o Brasil no evento. Uma das ações foi enviar para os convocados vídeos de celebridades com mensagens de apoio. A competição terá início na próxima terça-feira e seguirá até o dia 5 de setembro.

Além das sessões de terapia em Hamamatsu, cidade japonesa na qual a missão brasileira fez sua aclimatação antes dos Jogos, os atletas brasileiros também foram submetidos a outras ações relacionadas à psicologia. Diversas celebridades – entre atletas, cantores, apresentadores e atores, como a dupla sertaneja Israel e Rodolffo, a atriz Juliana Paiva, o rapper Criolo e a ginasta Daniele Hypolito – mandaram vídeos de incentivo à delegação paralímpica do Brasil.

“Nossa expectativa era realizar algo presencial. No entanto, por causa da pandemia, pensamos em ações que poderiam ser online para unir, incentivar e valorizar os atletas. Surgiu a ideia dos vídeos, mas não sabíamos muito bem como fazer o contato com as celebridades”, disse a psicóloga do CPB, Bruna Soares.

De acordo com a profissional, a equipe iniciou a busca pelas redes sociais e por meio de contatos próximos. “Estipulamos uma meta de 15 vídeos, com intuito de mostrá-los aos atletas em Hamamatsu, no período de aclimatação, talvez o mais difícil para eles”, continuou Bruna.

Porém, para a surpresa dos psicólogos do CPB, o “boca a boca” fluiu e, em poucos dias, diversas celebridades começaram a enviar as gravações. “Hoje, estamos com quase 30 vídeos para repassar e não param de chegar! É uma ação prazerosa e que, com certeza, incentiva os atletas”, afirmou.

REAÇÃO DOS ATLETAS – Felizes com o apoio das celebridades, que, muitas vezes, também são ídolos, os atletas retribuíram o carinho por meio de áudios e vídeos. “A Tayana (de Souza Medeiros), do halterofilismo, ficou encantada com o vídeo do Éverton Ribeiro (jogador do Flamengo). Retribuímos com um áudio, no qual ela comemorava o apoio dele. Então, ele gravou um vídeo somente para a Tayana. Foi sensacional”, contou a psicóloga. “Queremos mostrar para os atletas que há muita gente conosco, torcendo, e creio que estamos conseguindo!”, completou Bruna.

Carioca de 28 anos e flamenguista “doente”, como ela mesma se define, Tayana de Souza Medeiros é atleta de halterofilismo na categoria até 86 kg. Nasceu com uma doença chamada artrogripose, que comprometeu o movimento de suas pernas. Conheceu a modalidade depois de um evento realizado antes do Rio-2016 e se apaixonou pelo esporte. Nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, em 2019, no Peru, conquistou a medalha de prata.

“O vídeo (do Éverton Ribeiro) me ajudou muito, muito, muito mesmo! Querendo ou não, estava em um momento que sentia muitas saudades da minha mãe e da minha casa. Tinha acordado um pouco triste e desmotivada para treinar. E, logo que recebi o vídeo, eu fiquei muito feliz! Tive uma motivação e um gás a mais. Fiz até um treino melhor do que estava esperando para aquele dia”, destacou Tayana.