No Afeganistão, Taleban expõe na rua corpos de sequestradores

As autoridades do Taleban na cidade de Herat, no oeste do Afeganistão, mataram quatro sequestradores e penduraram seus corpos em público para dissuadir a criminalidade, afirmou ontem um funcionário do governo local. A exibição é um sinal de que o grupo radical islâmico adotará medidas semelhantes às que tiveram em seu governo anterior, de 1996 a 2001.

Sher Ahmad Ammar, vice-governador da Província de Herat, explicou que os homens sequestraram um empresário local e seu filho e pretendiam tirá-los da cidade, quando foram vistos por patrulhas que montaram postos de controle na cidade. Após uma troca de tiros, todos os quatro foram mortos – e um soldado do Taleban ficou ferido.

“Seus corpos foram levados para a praça principal de Herat e pendurados na cidade como uma lição para outros sequestradores”, afirmou Ammar. As duas vítimas do sequestro foram libertadas sem ferimentos, segundo o vice-governador.

O morador de Herat Mohamed Nazir disse que estava comprando comida perto da Praça Mostofiat quando ouviu um anúncio em um alto-falante chamando a atenção das pessoas. “Quando dei um passo à frente, vi que eles trouxeram um corpo em uma caminhonete. Depois o penduraram em um guindaste”, disse.

Uma multidão acompanhou os combatentes armados do Taleban se reunirem ao redor do veículo. Imagens de um cadáver ensanguentado balançando no guindaste foram compartilhadas nas redes sociais, mostrando uma nota pregada no peito do homem dizendo: “Esse é o castigo por sequestro”. Postagens nas redes sociais disseram que mais três cadáveres foram pendurados em outras partes da cidade.

Em entrevista à Associated Press, publicada na semana passada, uma importante figura e um dos fundadores do Taleban, o mulá Nooruddin Turabi, disse que o grupo restauraria punições islâmicas, como amputações e execuções, para dissuadir criminosos. Turabi minimizou a indignação com as execuções promovidas pelo Taleban no passado, às vezes realizadas diante de multidões em estádios, e alertou contra a interferência externa no Afeganistão.

“Todos nos criticavam pelas punições no estádio (nacional de futebol, em Cabul), mas nós nunca dissemos nada sobre as leis dos outros países e suas punições. Nós vamos fazer nossas leis a partir do Alcorão”, afirmou Turabi. “Por isso, cortar mãos é muito necessário para a segurança.”

Apesar da condenação internacional, o Taleban disse que continuará a impor punições rápidas e severas aos infratores para impedir crimes, como roubo, assassinato e sequestro, que se aumentaram no Afeganistão.

Os americanos, que condenaram os comentários de Turabi sobre punições e execuções, afirmaram que qualquer reconhecimento do governo liderado pelo Taleban em Cabul, que substituiu a administração apoiada pelo Ocidente, que entrou em colapso no mês passado, dependeria do respeito aos direitos humanos. De acordo com a agência de notícias oficial Bakhtar, oito sequestradores também foram presos em um incidente separado na Província de Uruzgan, no sudoeste do Afeganistão.

Ataque

Pelo menos um combatente do Taleban morreu e outras sete pessoas ficaram feridas ontem após uma nova explosão ocorrida na cidade de Jalalabad, que já foi palco de vários ataques nas últimas semanas.

O atentado de ontem ocorreu pela manhã no centro da cidade, capital da Província de Nangarhar, quando um artefato explosivo detonou durante a passagem de um veículo das forças de segurança do Taleban.

A cidade de Jalalabad tem sido palco de várias explosões e ataques armados nos últimos dias, a maioria deles reivindicada pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI), que deixou vários mortos, muitos deles membros do Taleban.

Esses são os primeiros ataques ocorridos no país desde que o Taleban assumiu o controle do Afeganistão, em meados de agosto, pouco antes da retirada total das tropas americanas.

A região de Nangarhar continua sendo a principal área de operações do EI no Afeganistão, desde que o grupo se estabeleceu no país, em 2015. Nos últimos anos, houve inúmeros confrontos entre seus combatentes, o Taleban e as tropas afegãs e estrangeiras.

Apesar da forte oposição, o Estado Islâmico mantém sua presença em áreas remotas de Nangarhar e agora se tornou a principal ameaça contra o Taleban, podendo realizar ataques como a explosão de 26 de agosto no aeroporto de Cabul, que deixou pelo menos 170 mortos. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.