Região

Vinícola de Mariópolis recebe equipamentos comprados pelo Coopera Paraná

Além da vinícola de Mariópolis, outras cinco cooperativas da microrregião tiveram o aporte de recursos - Foto: Divulgação

Na terça-feira (8), a Cooperativa Vinícola São Francisco de Sales de Mariópolis recebeu equipamentos, para a produção de vinhos e suco de uva, um investimento de aproximadamente R$ 400 mil, destinados pelo Coopera Paraná, que é coordenado pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), que na microrregião de Pato Branco, aportou mais de R$ 2,5 milhões por meio do programa.

Na prática, o Coopera Paraná, que foi criado ainda em 2019, busca fortalecer organizações voltadas a agricultura familiar, agindo de forma integrada nos setores público e privado, desenvolvendo ações de assistência técnico-gerencial; capacitação ode dirigentes, técnicos e quadro social; promoção de comercialização e de acesso aos mercados, além de apoio financeiro para investimentos produtivos.

A chefe do núcleo da Seab de Pato Branco, Leonira Viganó Tesser destaca ainda que o programa almeja “estimular a ampliação da escala de produção, por meio do aumento da produção e da produtividade da agricultura familiar, além de agregar valor, através da melhoria da infraestrutura. Ela também fala em adesão de boas práticas sanitárias e de fabricação.

Leonira pontua que somente no ano do lançamento do programa, 2019, foram protocolados 20 projetos, na área de cobertura do núcleo Regional da Seab de Pato Branco, com oito projetos classificados e seis que receberam os aportes financeiros.

Atualmente a Vinícola São Francisco de Sales conta com 40 cooperados e segundo o presidente, Valdir Fabris o objetivo é ampliar a produção de vinhos, chegando a elaboração de 100 mil litros por ano do produto.

2021

Neste ano, o Coopera Paraná está com chamamento público em aberto, o que leva a chefe da Seab local ponderar que existe uma expectativa de receber menos projetos do que na edição passada.

Segundo ela, esta observação é reflexo do fato de que “as associações de produtores que apresentaram projetos de negócios com objetivo de adquirir maquinas e ou equipamentos, mas não realizam processo de transformação e comercialização dos produtos na agroindústria da cooperativa já não irão se inscrever.”

Ela explica ainda que “as organizações que participaram do primeiro chamamento público e estão com prestação de contas e lançamento junto ao Sistema de Informação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), podem participar novamente, pois, os recursos financeiros podem ser acessados através de Termo de Fomento no valor de até R$ 800 mil.”

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima