Criminalística e investigadores não encontraram arma com homem morto em Pato Branco

Na tarde deste domingo (15), o delegado Rômulo Ventrella que vem junto com a equipe de investigação da Polícia Civil atuando no caso do óbito registrado nas primeiras horas da manhã de hoje, as margens da BR-158, se manifestou sobre o fato.

O delegado relatou que as equipes da Polícia Civil estiveram no local, conversaram com o responsável da área, que é arrendatário do imóvel, e autor do disparo, que vitimou o homem de 50 anos.

Segundo o delegado, o autor do disparo foi ouvido na Delegacia, quando alegou que um funcionário próximo ao amanhecer ouviu vozes no entorno da casa em que estava, relatando ser de pessoas que pretendiam invadir o local.

O autor do disparo ainda relatou à Polícia Civil que de posse de duas armas, registradas, teria ido em busca dos supostos invasores, efetuado disparos de advertência, que teriam sido revidados. No momento que se deparou com um deles, efetuou o disparo que vitimou o homem que morreu no local.

Ainda de acordo com Ventrella, foram ouvidas testemunhas, policiais que estiveram no local e familiares da vítima, que relataram que o homem que foi morto há alguns meses apresentava problemas psiquiátricos, com surtos eventuais, falava sozinho, ouvia vozes, saia andando a esmo e muitas vezes era encontrado por familiares desnorteado e recentemente desmaiado em via pública.

Foto: Edinei Oldoni

Com relação os disparos supostamente efetuados contra o morador do imóvel, “neste momento não se confirmaram”, disse o delegado, que completou afirmando ainda que a perícia e os investigadores estiveram no local não encontraram estojos deflagrados de arma de fogo, ou “eventuais marcas que denotassem disparos [de outra] arma de fogo.”

Ventrella afirmou também que a vítima, não portava nenhum tipo de arma, estava descalça, o que segundo o delegado cria dúvidas com relação a legítima defesa, alegada pelo autor do disparo, que se não confirmada a versão deve responder pelo crime de homicídio.

O delegado também explicou que o autor do disparo não foi preso em flagrante, por ter acionado a Polícia Militar, que esteve no local, o que representa apresentação espontânea.

Ventrella também relata que até o momento, não se confirmou a presença de uma terceira pessoa [que estaria junto com a vítima] no imóvel.