UTFPR Pato Branco está em processo de eleição dos diretores-gerais

Votação informal acontecerá no dia 12 de maio e será realizada virtualmente

Júlia Heimerdinger

A Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) está em processo de eleição dos novos diretores-gerais no campus Pato Branco. No primeiro momento acontecerá a consulta informal, que será realizada no dia 12 de maio.

Depois do resultado, a lista será encaminhada para o Conselho Universitário da UTFPR (Couni), e acontecerá a eleição formal, então o Couni decidirá quem será o novo diretor de cada campus. A expectativa é que o Conselho valide o resultado dos segmentos de cada campus.

Votação

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a votação será realizada em modelo remoto, através do Helios Voting, sistema de votação eletrônica utilizado na última eleição para reitor da UTFPR.

Poderão votar os três segmentos da universidade: técnicos administrativos em educação, professores e alunos.

Antes a votação acontecia no sistema 70-30, ou seja, 70% do peso dos votos para professores, 15% para os técnicos administrativos e 15% para os estudantes.

Esse ano o grande diferencial do processo eleitoral é que a votação será paritária, cada segmento corresponderá ao peso de 1/3 na aferição final dos resultados.

Candidatos

O campus Pato Branco possui dois candidatos concorrendo a vaga de diretor geral do campus, Gilson Ditzel Santos, da chapa Juntos pela UTFPR de nossos sonhos e Nilvania Aparecida de Mello, da chapa UTFPR olhar para o futuro.

Os dois candidatos em entrevista ao Diário do Sudoeste comentaram sobre suas principais propostas para a nova gestão.

Gilson Ditzel Santos

O candidato informa que o coração da proposta é a gestão participativa, fundamentada nos colegiados. “Então, nós estamos propondo a criação do conselho de graduação e de pós-graduação, relações empresariais e o conselho estudantil”, complementa Santos.

O objetivo é contar com o apoio do uso da informação, usar os dados que já possuem no sistema. “Muitas vezes usamos os dados mais operacionais e temos que usar essas informações para mudanças estratégicas, então esse é um diferencial”, avalia Ditzel.

Outro ponto é consolidar as ações de desenvolvimento humano, social, cultural e esportiva. “Nós já temos atividades desses segmentos, mas pode ser mais espraiado pelo campus, assim fortalecer e consolidar essas atividades que vão trazer para as pessoas o sentimento de casa”, comenta Ditzel.

O candidato também destaca que o objetivo é continuar fortalecendo a graduação, mas também considerar a pós-graduação. “A pós-graduação é colocada hoje em segundo plano, então manter e trazer novos alunos de outras instituições, pois a pós-graduação consolida uma universidade, portanto fomentar mais”, explica Ditzel.

A infraestrutura também é uma das metas do candidato. “Ter uma comissão permanente, avaliando o uso dos espaços, a manutenção, a construção de novos espaços, expansão do campus, nós estamos muito reprimidos em questão de espaços”, avalia Santos.

O relacionamento com a comunidade externa é uma das grandes preocupações. “A relação tem que ser mais sistematizada em razão com as demandas da comunidade, então internamente nós temos que melhorar o fluxo de informação externa, com o objetivo de aproximar a universidade com o público externo”, finaliza Santos.

Nilvania Aparecida de Mello

A candidata diz que um dos objetivos é com os termos de consolidação, tantos nos cursos de graduação, como os de pós-graduação. “Sabemos que os próximos quatro anos de gestão serão bem difíceis, porque estamos em um período de encolhimento de investimentos federais nas universidades”, reflete Nilvania.

As principais propostas estão em manter o desenvolvimento e reestabelecer diálogo com a comunidade local e regional. “A gente percebe hoje que estamos muito voltados para Curitiba [sede da UTFPR], mas temos uma percepção que precisamos ampliar as nossas relações aqui no Sudoeste do Paraná”, avalia Nilvania.

Outro aspecto é continuar os processos de fomento e inovação que ocorrem dentro da universidade. “Quando falamos em inovação estamos falando no sentido do empreendedorismo, de incubadora tecnológica, mas também nos aspectos da melhoria dos currículos, os projetos que levamos para o resto da sociedade”.

Uma universidade federal inserida em um município, se torna uma referência, nesse sentido a intenção é divulgar mais sobre a UTFPR. “Com isso, a gente atrai muita gente de fora, estudantes de outros estados, entendemos que também é papel da universidade divulgar o nosso município, assim consolidando o caráter de Pato Branco ser uma cidade universitária”, destaca.

Outra proposta do plano de gestão é pensar no futuro, em um fortalecimento a longo prazo na universidade, além disso adequar a estrutura física.

A gestão participativa faz parte das intenções da candidata. “A gente precisa de estratégias concretas, no nosso caso, nós temos um Conselho, e é a nossa principal estrutura de decisão, temos o objetivo e ampliar e melhorar essa prática que já existe há oito anos”, destaca.

Por fim, o respeito a pluralidade é um dos focos principais da gestão. “O grupo UTFPR-olhar para o futuro é um grupo plural, que tem pessoas de todas as cores, raças, gêneros e religiões, toda essa diversidade está representada e ouvida”, conclui Nilvania.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *