Em primeiro mandato, Dirceu Boaretto tornou-se presidente da Comissão Processante que investiga o Executivo

A segunda matéria da série de entrevistas com os vereadores, cujo objetivo será apresentar os trabalhos realizados durante o ano e garantir a transparência das ações do Legislativo para os cidadãos, é com o vereador Dirceu Luiz Boaretto (Podemos). Em seu primeiro ano de mandato, Boaretto elaborou inúmeros requerimentos e indicações, buscando ações junto ao Executivo Municipal, para resolver as demandas apresentadas pela população pato-branquense.

Além de ser membro e presidente da Comissão de Justiça e Redação (CJR), Comissão bastante atuante para o trâmite das matérias, sendo responsável por analisar inúmeros projetos durante este ano, Boaretto assumiu a presidência da Comissão Processante (CP), formada para realizar a apuração da suposta infração político-administrativa, cometida pelo prefeito de Pato Branco, Robson Cantu.

A CP é a primeira na história política de Pato Branco a ser formada para investigar atos cometidos por um prefeito de Pato Branco. Em 1999, uma CP foi constituída, mas, na ocasião, investigou atos cometidos por um vereador. Sobre sua atuação como presidente, Boaretto ressaltou que a Comissão trabalha “obedecendo o rito do Decreto-Lei nº 201, de 1967, e ao devido processo legal, pautando sempre pela imparcialidade e transparência, para que todos os atos sejam apurados”.

Requerimentos e Indicações

Dentre os diversos requerimentos e indicações, apresentadas durante o ano, o vereador ressalta o Requerimento nº 816, de 2021, que requer a implantação de câmeras de monitoramento nas estradas do interior do nosso Município. A medida, de acordo com Boaretto, visa facilitar a promoção da segurança de todos os pato-branquenses, especialmente, daqueles que residem nas áreas rurais. “Com as câmeras implantadas, inúmeros infortúnios e ocorrências danosas aos munícipes poderão ser monitoradas e, possivelmente, solucionadas com ajuda das imagens”, explicou ele.

Outra cobrança do vereador, é a perfuração de poços artesianos nas comunidades rurais,  visto que os agricultores estão enfrentando inúmeras dificuldades devido a estiagem, até pelo fato de necessitarem de maior quantitativo de água em suas propriedades, onde a falta desse recurso pode ser muito prejudicial para o segmento e impactar na economia de todo a cidade e região.

Sobre seu primeiro ano, o vereador analisa como produtivo, “mantive um contato direto com os cidadãos, busquei fazer requerimentos e indicações que trouxessem soluções e melhoria da qualidade de vida dos pato-branquenses que residem na cidade e no campo. Enquanto presidente das comissões, procurei dar agilidade aos projetos que tramitaram pela Casa e dar respostas com objetividade e transparência nos trabalhos realizados”, afirmou Boaretto.