A secretária municipal de Assistência Social de Pato Branco, Barbara Slonski Delboni Padoan, esteve na sessão da Câmara Municipal dessa segunda-feira (21), falando sobre os serviços realizados pela pasta, desde o início da gestão.

Barbara foi convidada pelos vereadores Maria Cristina de Oliveira Rodrigues Hamera (PV), que também é Procuradora da Mulher, Januário Koslinski (PSDB), Marcos Junior Marini (Podemos) e Romulo Faggion (PSL).

Na oportunidade, a secretária foi questionada pelo vereador Romulo Faggion (PSL) sobre as medidas que estão sendo tomadas para sanar o aumento do número de andarilhos e pedintes em Pato Branco. Também, sobre quem são essas pessoas, por que estão pelo centro, se recebem ou não ajuda da assistência social, quais as providências do Município e como a população deve agir quando se deparar com essa situação.

Em maio, o Diário do Sudoeste publicou uma matéria sobre o assunto, diante dos vários questionamentos de leitores, que se disseram surpresos com o aumento repentino no número de pedintes e ambulantes no centro da cidade, nesses últimos meses de pandemia.

Abordagem social

Barbara explicou na Câmara que a Secretaria passou por um reordenamento da abordagem social. “Nos propomos a realizar uma audiência pública para mostrar dados pertinentes a esses serviços, porque é isso que precisamos mostrar para a população”, destacou.

Segundo a secretária, há um caso de um adolescente que tem família, não está em situação de rua, mas tem um aspecto profundo com a dependência química, uma preocupação em relação à juventude no município.

“Especificamente, ele já é uma pessoa conhecida do sistema, inclusive quando eu assumi a Secretaria ele estava internado. A questão da abordagem de rua é muito complexa, porque falamos também do direito do cidadão. Quando a pessoa está em situação de rua e está solicitando esmola, a gente sempre orienta as pessoas que se reportem ao número da abordagem social, que pode ser atendido através de ligação ou whatsapp. Funciona das 8h às 22h, de segunda a domingo”, frisou.

A abordagem social, de acordo com Barbara, é feita por dois servidores que atuam de fato dentro desse setor, que é o Amilton Maranoski e o João Fortes, durante a semana, e nos fins de semana a Secretaria conta com o auxílio dos motoristas.

Números

Sobre os números dos atendimentos realizados pela pasta, desde o início deste ano, Barbara revelou que 1.848 famílias estão sendo beneficiadas pelo programa Bolsa Família, e que entre elas 1.016 também recebem o Auxílio Emergencial.

No mesmo período, houve 21 atendimentos na Casa Abrigo Esperança, 52 atendimentos no Centro de promoção Humana Infanto-Juvenil, além de 247 no CRAS Paulina Ferrari Amadori, 511 no CRAS Paulina Andreatta, 613 atendimentos no CREAS e 335 na Secretaria de Assistência Social, totalizando 1.779 atendimentos.

Durante a sessão, a secretária também falou sobre o número de cestas básicas adquiridas pelo município nos meses de janeiro até abril de 2021. Também sobre a quantidade de alimentos recebidos de doações no mesmo período, as cestas básicas entregues, as medidas que estão sendo tomadas para acompanhamento e atendimento das famílias carentes, entre outras ações relativas ao atendimento social.