Implante hormonal de testosterona é solução segura para homens com DAEM

Já não é novidade que o implante hormonal está ganhando destaque como método contraceptivo entre as mulheres. No entanto, os homens também podem se beneficiar das vantagens dos chips de hormônio.

“É um tratamento que está sendo adaptado para as necessidades do público masculino. A testosterona, principal hormônio masculino, atinge um pico de produção na adolescência e início da fase adulta. Porém, conforme os anos passam, os níveis da substância no corpo começam a cair. Com o envelhecimento, cerca de 20% dos homens desencadeiam o chamado hipogonadismo, ou seja, a parada de produção”, aponta o médico Aldo Grisi.

O processo, que também é conhecido como Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM), pode trazer prejuízos para a saúde do homem para além de sua vida sexual.

“O desequilíbrio de testosterona é capaz de causar ginecomastia, que resulta no aumento de uma ou das duas glândulas mamárias. Também gera anemia, fadiga, distúrbios do sono, alterações no humor, osteoporose e até mesmo diabetes”, cita.

Uma vez diagnosticada a DAEM, o homem deve ser tratado, e a testosterona deve ser reposta. Há diversas maneiras de fazer essa reposição: através de injeções intramusculares, aplicação de soluções de gel na pele ou ainda, quando for possível, estimular a sua produção no testículo por meio de medicamentos específicos.

Paralelamente ao tratamento urológico, a psicoterapia, mais especificamente a terapia sexual, é de bastante valia no resultado final do tratamento, pois auxilia o homem a resgatar a confiança em seu desempenho sexual, abalada pelos sintomas da DAEM.

A parceira tem um papel fundamental na recuperação desse homem com a queda dos níveis de testosterona. O conhecimento da causa dos sintomas do parceiro permite que ela compreenda que a falta de desejo e a dificuldade de ereção se devem à queda hormonal, e não a problemas no relacionamento ou outros interesses do parceiro.

Chip hormonal

Segundo o profissional, os chips hormonais são uma das soluções mais seguras para recuperar a dosagem recomendada de testosterona no corpo.

“Esse dispositivo subcutâneo é uma via mais confortável de administração, isto é, torna-se desnecessária, por exemplo, a aplicação de injeção. São pellets, isto é, palitos introduzidos embaixo da pele que vão liberando hormônios em pequenas dosagens. Mas seu diferencial é que o paciente tem uma liberação de medicação gradual, contínua e prolongada”, afirma.

Os benefícios do método são inúmeros, de acordo com Aldo.

“Os pontos positivos podem ser percebidos durante o sexo e na vida cotidiana. Durante as relações íntimas, alivia problemas de ejaculação precoce e perda da libido. No desempenho do físico, aumenta a massa muscular, ao mesmo tempo que diminui a gordura corporal, e reduz o risco de câncer de próstata. A saúde mental também ganha com o implante hormonal, pois preserva a memória, e diminui o cortisol, considerado o ‘hormônio do estresse’.”

Vale ressaltar que o uso do implante requer cuidados por conta de possíveis efeitos colaterais – assim como qualquer outro tipo de medicamento.

“Os efeitos colaterais são reais, mas não são próprios do implante hormonal, e sim de algumas substâncias e doses que podem ser usadas”, destaca. “Desta maneira, fazemos um tratamento personalizado, com dosagens específicas para reduzir o risco de essas reações surgirem. Contudo, caso haja algum efeito, teremos mecanismos para revertê-los”, completa. (Assessoria)