Adriani Marinho de Mello

O mês é agosto lilás, uma campanha para combater a violência contra a mulher e reforçar sobre a Lei Maria da Penha. A campanha foi criada pela Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres do Governo do Estado do Mato Grosso do Sul e aderida em vários Estados. Tenho lido e pesquisado muito sobre a violência contra a mulher, conversado com muitas mulheres e simpatizantes desta causa, então, decidi escrever, quem sabe o texto tenha inúmeras interpretações, quem sabe alguém não concorde e até julgue, mas enfim, eu prefiro expressar meu ponto de vista.

Uma coisa me intriga, que a violência começa por nós, como assim Adri?? Você pode questionar, mas é real, nos violamos quando aceitamos relacionamentos abusivos, quando aceitamos menos do que merecemos, quando nos achamos incapazes de conquistar e fazer determinadas coisas, quando não aceitamos nosso corpo, quando não usamos uma roupa pois corremos o risco de não gostarem, quando pensamos muitas vezes: Será que eu posso fazer isto?? Será correta esta atitude? Quando um homem nos diminui e aceitamos, pois poxa vida ele é assim…

Nestas trocas, ouvi também sobre Partidas e términos de relacionamentos, fiquei a pensar porque nós mulheres sofremos com isto?? Algo dentro de mim respondeu, porque fomos criadas para servir um bando de machistas talvez; ou porque fomos educadas para namorar, casar e ter filhos; que mulher tem que aguentar… mas ai, lembrei estamos em 2021 e podemos fazer diferente, chutar a latinha da minhoca (ouvi há um tempo atrás rsrsrsrs) e realmente às vezes é preciso. Então, quando alguém ameaçar ir embora, permita que vá de uma vez por todas. Quando alguém falar: “Acabou” tudo bem, você não precisa implorar para que fique, muito menos deixar a porta entreaberta na esperança de que um dia essa pessoa volte por você. Deixe um aviso na entrada do seu peito: quem saiu por escolha própria, não entra mais por Amor Próprio.

Temos o hábito de criar mentalmente a sensação de rejeição. Isso não é nada bom para nossa mente, muito menos para nosso coração. Quem não quer ficar em nossa vida, realmente deve seguir seu caminho e deixar espaço livre para que um novo amor possa entrar, caso você queira, porque afinal quando somos nosso único amor, já não sofremos pelos outros.. ou a pessoa te transborda ou ela não te serve.

Quando ficamos focando na pessoa que se foi ou quer ir, esquecemos de nós, de nos amar e acabamos por cometer um grande erro, que é esquecer de cuidar da gente. Nenhum homem vale nosso desgaste emocional. Se cuide, se ocupe e você passará a exalar sensualidade. Analise sempre quem você vai deixar permanecer na sua vida. Homem complicado, indeciso e que não te dá o valor que você merece não deve ficar. Homem com síndrome de Gabriela (eu nasci assim e assim sou, nunca vou mudar) esteja longe deste tipo… só te atrasa a vida. Tenha como objetivo, melhor dizendo, como meta de amor: aquele que te enxerga como um Mulherão, porque você é um!

Menos que isso, você mesma deve abrir a porta do seu coração e dizer: eu não te quero mais! Afinal, pare de buscar a metade da laranja, pois nem eu e você somos metade… somos inteiras , então se for vir tem que ser inteiro! Duas laranjas inteiras sim tem significado.

Vamos debater mais sobre o assunto, falar sobre, analisar e nos posicionar, sou grata pela luta de outras mulheres que vieram antes de mim, caso contrário, não estaria eu aqui escrevendo ousadamente o que penso.

Mês de novembro é marcado pelo Dia Internacional da Luta Contra a Violência à Mulher, enquanto não chega, estou a gestar, juntamente com uma super amiga o projeto MULHERES QUE BRILHAM, inspirado em mulheres e diálogos sobre todos os assuntos, também em alguns homens, homens estes que marcaram nossas vidas de maneira positiva e negativa. Logo ali na frente, falaremos sobre.

Formada em Pedagogia, graduada em Gestão Escolar. Professora, mas atuando como pedagoga na Escola Municipal Tiradentes, em Coronel Vivida. Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Coronel Vivida