Após ser paralisada para manutenções, GNA I volta a gerar energia, diz ONS

A usina termelétrica GNA I foi reconectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN), após passar por manutenção para corrigir problemas técnicos com riscos para o sistema de fornecimento de gás, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Conforme mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), as falhas apareceram quatro dias após a usina entrar em operação comercial para ajudar de forma emergencial o sistema elétrico, que é afetado pela pior crise hídrica nos últimos 91 anos. A paralisação ocorreu no dia 20, às 11h38, segundo o ONS.

Em comunicado, o ONS informou que o desligamento da GNA I não estava previsto, mas que “existem outros recursos que podem ser utilizados para minimizar os impactos da ausência na geração e suprir as necessidades do SIN”.

A GNA I tem capacidade instalada de 1.300 MW, e está localizada em São João da Barra, no Rio de Janeiro, e entrou em operação com atraso em relação ao cronograma inicial porque teve problemas na turbina a vapor, durante seu primeiro teste operacional, realizado em 28 de março.

Embora o ONS informe que a parada não estava programada, a empresa informa que passou por ajustes “comuns de início de operação comercial” e que retomou as atividades na quarta-feira, para contribuir nos esforços de superação da crise hídrica.

No Informativo Preliminar Diário da Operação (IPDO), divulgado na quarta pelo ONS, o despacho da termelétrica GNA I não constava. Já o boletim divulgado nesta quinta-feira considera a programação do empreendimento.