Sindpar entrega carta aberta ao governador Ratinho Junior

Redação com Assessoria

Durante agenda realizada no Sudoeste, na última semana, o governador Ratinho Junior recebeu — das mãos da diretora do Sindicato dos Servidores Públicos na Agropecuária do Estado do Paraná (Sindpar), Juceli de Fátima Machado — uma carta aberta.

No documento, publicado na quinta-feira (9), a entidade destaca que solicitou, por inúmeras vezes, atenção ao Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (Iapar/Emater).

“A implantação de um plano de carreira único para os servidores do IDR-Paraná deveria trazer aperfeiçoamento ao Instituto. Porém, após quase dois anos de tentativas de estabelecer negociação para elaboração de uma proposta que não prejudique os servidores, o que temos agora é a surpresa de que o Governo Ratinho Jr. Estará encaminhando proposta para a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep)”, diz a carta.

O sindicato destaca que, até então, nenhum servidor teve acesso a esse documento que será encaminhado à Alep; e questionou: “Como pode, senhor Governador, um instituto que fora criado por Vossa Excelência, fruto da fusão de órgãos importantíssimos para agricultura paranaense sendo o Iapar, Emater, CPRA e Codapar serem tratados de forma tão antidemocrática?”.

Na carta, a entidade afirma que, “ao que se sabe, os salários dos servidores serão transformados em subsídios, e avanços de carreira serão suprimidos. A direção do Instituto em nenhum momento negociou ou deu chances de negociações; e, de forma autoritária e desrespeitosa para com a entidade sindical, atropelou a discussão”.

O sindicato, ainda, solicita para que os servidores sejam respeitados e que seus direitos não sejam “massacrados de forma tão autoritária. Acreditamos que a sociedade paranaense, através de suas entidades e de seus representantes eleitos, possa nos ouvir e nos socorrer das injustiças e do autoritarismo”.

De acordo com a diretora do Sindpar, o governador prometeu, na oportunidade, resolver essa situação. “Ele disse que vai acertar isso. Comentei que foi protocolado em 2019, e não andou, este ano foi feita nova Minuta…”, disse Juceli.