Pato Branco

UTFPR projeta capa capaz de esterilizar roupas sem tirá-las do corpo

Professores da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) estão trabalhando no projeto de uma capa capaz de realizar a desinfecção (higienização) de roupas sem tirar do corpo. 
Em Pato Branco, o professor do departamento de Engenharia Elétrica, Ricardo Bernardi, está participando do projeto, em conjunto com o câmpus Curitiba, onde, entre outras ações, está realizando o monitoramento do gás Ozônio. Sua participação é tida como bem importante e delicada, tendo em vista que o gás pode ser prejudicial à saúde se inalado em grandes quantidades.
De acordo com o coordenador do projeto, professor do departamento de Eletrônica em Curitiba, Rubens Alexandre de Faria, a capa foi pensada para proteger os profissionais da saúde que estão na linha de frente dos atendimentos de pacientes suspeitos ou com Covid-19. 
Na prática, basta a pessoa colocar a capa, que é pressurizada com Ozônio, e esperar alguns minutos até que o processo seja concluído. “Vem um cidadão da rua que transportou o vírus em suas roupas, ele veste a capa e nós ligamos o gerador de ozônio que, combinado com o ultravioleta, faz a esterilização da vestimenta”, contou Faria explicando que no dispositivo existirão sensores para detectar um possível vazamento de Ozônio. 

Rotina de profissionais da saúde 
O coordenador do projeto cita como exemplo da utilização da capa, a rotina de um profissional da saúde. “Eles [médico ou enfermeiro] conseguem tratar os pacientes e na hora de sair [do hospital], se esteriliza de novo e pode ir para sua casa”, exemplifica comentando que, além disso, o equipamento que será portátil, também poderá auxiliar na esterilização de roupas de profissionais que realizam home care (cuidado em domicílio). 

A capa
A previsão é que o protótipo da capa fique pronto em, aproximadamente, 40 dias, pois, com o fechamento de alguns setores, devido ao combate do coronavírus, a compra de alguns insumos está demorando um pouco. Após pronto, o protótipo passará por testes de segurança, que serão realizados pela vigilância sanitária.

Apoio
Para dar andamento no projeto, o grupo de voluntários da UTFPR conta com a parceria da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 
Porém, mesmo com o apoio das universidades e com a verba de R$ 30 mil destinada para o projeto, o grupo de voluntários ainda precisa de parcerias para a produção dos trajes e das câmaras de desinfecção baseadas em UV e Ozônio, para atender unidades médicas e de emergência clínica. 
Por isso, pessoas, empresas e indústrias que têm interesse em auxiliar no projeto, seja financeiramente com a fabricação dos materiais, podem entrar em contato com o grupo através do número (41) 98425- 0479 ou pelo email [email protected] 

Clique para comentar
Para cima