Região

Clube de leitura em Francisco Beltrão debate obras de autoria feminina

Desde 2018, existe em Francisco Beltrão o clube de leitura “Leia Mulheres”. Mensalmente, pessoas se reúnem para discutir obras de autoria feminina, como uma forma de incentivar não só a leitura como a divulgação de livros escritos por mulheres.

Todos que se interessam por leitura e querem conhecer um pouco mais sobre obras produzidas por mulheres, podem participar do projeto, não existe uma distinção de gênero.

Na prática, os participantes recebem a indicação de uma obra e tem um tempo para ler e analisar o material. Nos encontros do clube de leitura, que até antes da pandemia aconteciam, presencialmente, além dos leitores, existe um mediador, sempre do sexo feminino e, em algumas ocasiões, uma pessoa convidada, para contribuir com o debate sobre a obra da vez. 

Os encontros acontecem sempre em locais de fácil acesso e de livre circulação. “Em cada encontro é conversado sobre um livro, e cada reunião é organizada e planejada por uma mediadora”, explica uma das mediadoras do grupo, Angélica Servegnini de Wallau.

No clube em Francisco Beltrão, além de Angélica, Carla Lavorati, Mayara Cristina Yamanoe e Mara Lúcia Fornazari Urbano da Silva também são mediadoras.

No Leia Mulheres FB, já houveram reuniões em que participaram até 80 pessoas. Segundo Angélica, a participação dos leitores varia de acordo com o livro, com o período e com a dinâmica de postagens e encontros. “Aqui o grupo é bem heterogêneo e dinâmico.”

O Leia mulheres é aberto a todas as pessoas que tem interesse em participar de um clube de leitura e que, além disso, queiram conhecer e debater obras com autoria feminina.

Pessoas interessadas em participar do clube do Leia Mulheres em Francisco Beltrão, devem encontrar em contato com o grupo através do Instagram (leiamulheresfbe).

Objetivo

Um dos principais objetivos do Leia Mulheres FB, de acordo a mediadora, é trazer para debate obras que possam alcançar uma diversidade de mulheres, assim como também trazer materiais que oferecem uma discussão referentes a questões sociais, como condições de raça, classe social, identidade de gênero e orientação sexual.

“[O grupo busca] questionar o mercado editorial que dá preferência a publicação de obras escritas por homens (deste o histórico de mulheres que precisaram usar nomes masculinos para serem publicadas), repensar como ocorre a nossa escolha referente a autoras (es) e obras que vamos ler e possibilitar uma maior publicidade de obras femininas”, completa.

Encontros na pandemia

Cumprindo as medidas de prevenção ao coronavírus, as reuniões presenciais do grupo precisaram ser canceladas. No entanto, os encontros têm acontecido de maneira online. “Nosso último encontro presencial foi no mês de março e de á para cá fomos cada mês testando possibilidades, avaliando e nos adaptando, já utilizamos de grupos próprios de WhatsApp a salas virtuais e conversas simultâneas”, conta.

Próximo encontro do grupo:

Região

Em Pato Branco e Chopinzinho também existem clubes de leitura. Pessoas de Pato Branco podem entrar em contato com o grupo, com uma das mediadoras, Aline Demétrio, pelo número (46) 99985-8331. Para participar do clube de leitura em Chopinzinho, as pessoas podem entrar em contato com Karina pelo número (46) 99919-8338 ou

Leia Mulheres

O Leia Mulheres, não é um projeto que surgiu aqui no Sudoeste. A iniciativa teve início ainda em 2014, quando a escritora Joanna Walsh, preocupada com a desvalorização de obras com autoria feminina, promoveu a campanha #ReadWomen2014, na Inglaterra.

No Brasil, o projeto chegou em 2015 e foi inspirado na iniciativa de Joanna. Porém, não ficou somente em uma campanha. Uma das idealizadoras no país, Juliana Gomes convidou duas amigas para criar um clube de leitura de obras escritas por mulheres. A intenção, era transformar a ideia da campanha em algo físico, que pudesse atingir ainda mais pessoas.

Atualmente o Leia Mulheres está presente em 175 municípios do Brasil. No Paraná, o clube de leitura se encontra em 13 cidades. Entre eles três ocorrem no Sudoeste — Francisco Beltrão, Chopinzinho e Pato Branco.

Clique para comentar
Para cima