Região

UTFPR de Dois Vizinhos terá laboratório para a detecção da Covid-19

Com o investimento de aproximadamente R$ 600 mil, a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) – Campus Dois Vizinhos em breve passará a ter em sua estrutura um laboratório de análises moleculares por PCR em Tempo Real (PCR-RT). 

Essa novidade foi anunciada nesta semana, quando a Reitoria da UTFPR e a Direção-Geral do Campus Dois Vizinhos estiveram reunidos com o Distrito 4640 do Rotary Internacional e a Prefeitura de Dois Vizinhos, firmando parceria que contribuirá não só para o próprio município, mas toda a região Sudoeste.

Segundo Everton Lozano, professor e diretor-geral da UTFPR-DV, com a implantação desse laboratório na universidade “e o credenciamento junto ao Laboratório Central do Estado (Lacen), vamos poder realizar as análises para a identificação da Covid-19”, informa.

Lozano acrescenta que, dessa forma, a região poderá ser atendida de maneira mais célere na realização dos exames, desafogando as demandas do Lacen, em Curitiba. “Trata-se de um ganho muito importante para o sudoeste do Paraná”.

Investimento

O projeto terá o investimento total em cerca de R$ 600 mil. Desses, US$ 30 mil (equivalente a aproximadamente R$ 150mil) oriundos do Rotary; R$ 200 mil da Prefeitura de Dois Vizinhos; e R$ 150 mil da UTFPR.

Conforme o diretor-geral do campus, ainda estão em tratativas com outras entidades para a complementação dos recursos, estando em estágio avançado nas negociações. 

Além disso, para colaborar com o projeto, o campus de Dois Vizinhos está ajustando o seu orçamento. Dessa forma, custeando a reforma de adaptação do laboratório e bolsas de estudo aos alunos da pós-graduação que realizarão as análises juntamente com a equipe de professores.

Lozano ainda informa que a ideia é iniciar as atividades no laboratório o mais breve possível. Tanto que, os trabalhos burocráticos, o projeto de reforma do espaço, edital para seleção de alunos e os processos de compra de equipamentos e insumos já iniciaram na quinta-feira (7). 

O diretor-geral também ressalta a qualificação da equipe técnica que está à frente do projeto, composta por oito professores doutores e com experiência em análises moleculares. 

“Quando essa pandemia passar, ficaremos com uma estrutura para a realização de outros exames, ou seja, teremos ganho nos aspectos de saúde, sociais e técnico-científicos, em um projeto que envolve os poderes público federal, municipal e a sociedade civil organizada”, finaliza.

Clique para comentar
Para cima